sicnot

Perfil

Economia

Escolas do ensino artístico temem não ter verbas para manter todos os alunos

As escolas artísticas privadas candidatas a financiamento estatal para acolher alunos do ensino público admitem ter de mandar estudantes embora depois de começarem as aulas, porque só no final de setembro saberão se recebem verbas suficientes.

[Arquivo]

[Arquivo]

© Ilya Naymushin / Reuters

O receio dos diretores das escolas particulares e cooperativas de ensino artístico deve-se à mudança das regras de financiamento divulgadas em portaria no final de julho, uma data que consideram demasiado tardia para organizar o próximo ano letivo.

Os diretores têm até ao final do dia de hoje para se candidatar a verbas do Ministério da Educação e Ciência (MEC), que através destes protocolos consegue oferecer a alunos de todo o país a oportunidade de frequentarem um curso de música ou dança, tal como acontece nos conservatórios públicos.

No entanto, os resultados das candidaturas só serão conhecidos a 28 de setembro, depois de as aulas terem começado e as turmas estarem constituídas, lamentou a diretora executiva da Academia de Música de Almada, Susana Batoca.

No ano passado, as escolas do ensino artístico especializado -- que complementam a oferta da escola pública -- tinham perto de 4.000 professores e eram frequentadas por cerca de 24.000 alunos. Para o próximo ano, estes números continuam uma incógnita.

"Não fazemos ideia dos valores que serão atribuídos às escolas nem quantos alunos serão financiados, porque os resultados finais só saem quando o ano letivo já tiver começado. E o que é que vamos fazer? Vamos mandar alguns alunos embora? Para algumas escolas poderá não existir outra opção", alertou Susana Batoca à Lusa.

Questionado pela Lusa, fonte do MEC explicou que este ano as escolas estão perante uma situação anómala, uma vez que o diploma com as novas regras de financiamento foi publicado a 29 de julho e "houve necessidade de ajustar os procedimentos sem colocar em causa a abertura do ano letivo".

No entanto, nos próximos anos, as candidaturas serão entregues em fevereiro "permitindo uma atempada gestão de todo o processo", acrescenta.

Outra das críticas de Susana Batoca, que também pertence ao Movimento Reivindicativo do Ensino Artístico, prende-se com a disparidade de oferta no país, que faz com que em algumas regiões esta oferta educativa chegue apenas a um pequeno grupo.

"Há uma desproporcionalidade gritante entre as vagas abertas e o número de habitantes: na zona de Lisboa e Vale do Tejo há 2.600 alunos enquanto no Porto são quatro mil. Isto para não falar em toda a região do Alentejo, em que abrem apenas 40 vagas para iniciação", lamentou.

A professora não defende a redução de vagas no Porto, mas o aumento nas outras regiões de forma a permitir que mais alunos possam ter esta oportunidade e assim conseguir uma oferta equilibrada consoante a população alvo.

O MEC entende que não se pode "estabelecer qualquer correlação entre o número de habitantes e o número de alunos que pretendem frequentar esta modalidade de ensino", sublinhando que tem assumido "como referência para o financiamento do Ensino Artístico Especializado o número de alunos dos anos anteriores, mantendo os mesmos níveis de financiamento nos regimes integrado e articulado, que são assegurados integralmente pelo Orçamento do Estado (OE), sem custos para as famílias".

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.