sicnot

Perfil

Economia

Parlamento grego reúne-se hoje para debater e aprovar terceiro plano de resgate

O parlamento grego reúne-se hoje em sessão extraordinária para se pronunciar sobre o acordo entre a Grécia e os credores que prevê um terceiro resgate financeiro, um dia antes da reunião do Eurogrupo também destinada a legitimar o programa.

Thanassis Stavrakis

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, disse na quarta-feira estar "confiante" na ratificação do acordo, anunciado na véspera após uma maratona negocial de mais de 20 horas com as instituições de credores internacionais -- Comissão Europeia (CE), Banco Central Europeu (BCE), Fundo Monetário Internacional (FMI) e Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEDE).

"Apesar dos obstáculos que alguns tentam colocar no nosso caminho, vamos concluir com êxito este acordo", disse Tsipras após uma reunião no ministério das Infraestruturas, antes de manifestar otimismo sobre a possibilidade de este novo pacto terminar a "incerteza económica" na Grécia.

"Vamos dececionar as Cassandras [as vozes contra] e tentar garantir êxito na reconstrução do país", assinalou.

Tsipras denunciou o aumento da corrupção na Grécia "nos últimos cinco anos" e manifestou a intenção do seu governo em estabelecer um sistema eficaz e transparente que combata as práticas corruptas e a evasão fiscal, e "os termos e condições do longo processo de recuperação da economia".

Uma das vozes mais críticas sobre este novo plano de ajustamento na Grécia, avaliado em cerca de 85 mil milhões de euros -- que se junta a dois anteriores regastes que totalizaram 240 mil milhões de euros -- tem sido Yanis Varoufakis, o ex-ministro das Finanças do Governo de coligação, no poder desde janeiro, e dominado pelo partido da esquerda radical Syriza.

"O plano não vai funcionar", disse na quarta-feira à televisão BBC World, contradizendo deste modo o primeiro-ministro.

"Perguntem aos que conhecem o estado das finanças gregas e eles dir-vos-ão que este acordo não vai funcionar", declarou à cadeia pública britânica.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42