sicnot

Perfil

Economia

Desvalorização do yuan "basicamente concluída", moeda chinesa permanecerá forte

Um responsável do banco central chinês garantiu hoje que o yuan "permanecerá forte", afirmando que o "ajustamento" iniciado há três dias, que se traduziu numa desvalorização de 4,5% face ao dólar norte-americano, está "basicamente concluído".

© Jason Lee / Reuters

"O valor do yuan voltou gradualmente aos níveis do mercado depois das quedas nos dias anteriores, e permanecerá uma moeda forte no longo prazo, sem bases para uma persistente e substancial desvalorização", disse Zhang Xiaohui, vice-governador adjunto do Banco Popular da China, citado pela agência noticiosa oficial Xinhua.

Nos últimos três dias, a moeda chinesa desvalorizou sucessivamente 1,9%, 1,6% e 1,1% face ao dólar norte-americana, na maior descida do género em mais de duas décadas.

Zhang Xiaohui indicou que "havia um fosso de 3% entre a cotação do yuan e as expectativas do mercado".

"O ajustamento para eliminar aquele fosso", assumido pelo banco central chinês como uma medida destinada a "refletir melhor o mercado", está "basicamente concluído", disse o responsável numa conferência de imprensa em Pequim.

Segundo as cotações do banco central chinês, hoje de manhã (hora local), a moeda norte-americana valia 6,401 yuan, mais 0,071 do que na quarta-feira passada e 0,285 acima do valor fixado no início da semana.

O euro também subiu face à moeda chinesa e, pela primeira vez em vários meses, excedeu 7 yuan, cotando-se em 7,101 - mais 0,338 do que na terça-feira passada.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) congratulou-se com a "maior flexibilidade cambial" adotada pela China, afirmando que aquele país "está rapidamente a integrar-se nos mercados financeiros globais".

A desvalorização do yuan foi considerada também uma forma de aumentar a competitividade das exportações chinesas, cujo valor, em julho passado, diminuiu 8,3% em relação a igual período de 2014.

Segunda economia mundial, a seguir aos Estados Unidos, a China é também o maior exportador do planeta, à frente da Alemanha e do Japão.

A União Europeia e os Estados Unidos são os principais destinos das exportações chinesas.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.