sicnot

Perfil

Economia

Bolsa de Lisboa segue em alta de 1% após segunda-feira negra nas praças mundiais

Banif, Pharol, EDP e Galp lideravam as ações da bolsa de Lisboa, que estava hoje com o índice PSI20 a ganhar 1% para os 5.31,02 pontos, corrigindo das fortes perdas de segunda-feira em que foi arrastada pela praça chinesa.

reuters

Cerca das 08:30, das 18 cotadas, 14 subiam, três caíam e uma mantinha-se inalterada, a Teixeira Duarte, nos 0,478 euros, com o índice PSI20 a seguir em linha com o comportamento das principais praças europeias que negociavam também com ganhos.

No dia seguinte ao pânico que se instalou na bolsa de Xangai, de Hong e do Médio Oriente, justificado pelo sobretudo pelo abrandamento da economia chinesa, pela desvalorização do yuan e pela queda das matérias-primas, em particular do petróleo, a praça portuguesa está a corrigir em alta, segundo analistas citados pela agência de informação financeira Bloomberg, seguindo a evolução do resto da Europa.

As ações da do Banif subiam 3,85% para 0,0054 euros, a Pharol (antiga PT SGPS) recuperava 2,08% para 0,245 euros, a EDP valorizava 1,85% para 3,03 euros e a Galp ganhava 1,52% para 8,742 euros.

Já o restante setor financeiro apresentava hoje um comportamento positivo com o BCP a subir 0,89% para 0,0568 euros e o BPI a recuperar 0,11% para 0,896 euros.

Os CTT e a retalhista Jerónimo Martins subiam, respetivamente, 1,1% e 1,02%, para 8,979 euros e 11,845 euros, pela mesma ordem.

A contrariar os ganhos destaca-se a Impresa, que caía 1,43% para 0,69 euros, e a Mota-Engil, que avançava 0,66% para 1,954 unidades.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.