sicnot

Perfil

Economia

Bolsa de Xangai fecha a cair 1,27%, Europa segue tendência

A Bolsa de Xangai encerrou hoje a perder 1,27% na quarta-feira, não conseguindo recuperar depois de dois dias a cair a pique. As medidas anunciadas pelo banco central chinês atenuaram as pesadas perdas que marcaram o arranque da semana, mas foram insuficientes para inverter a tendência. Por isso, já esta manhã, os mercados europeus abriram em nova queda, assim como o índice PSI20 em Lisboa.

© Jason Lee / Reuters

O Índice Composite de Xangai fechou a cair 37,68 (1,27%), cotando-se nos 2,927.29 pontos, numa sessão muito volátil, iniciada em alta ligeira (0,53%), em que chegou a valorizar até 4,29% e a descer até 3,85%.

O principal indicador da bolsa de Shenzhen, a segunda praça financeira da China, caiu 3,05% no encerramento, até aos 1,695.76 pontos.

Depois de ter "afundado" 8,49% - na maior queda em oito anos no volátil mercado de capitais da China - na "segunda-feira negra" e de ter fechado, no dia seguinte, a cair 7,63%, a bolsa de Xangai voltou hoje a encerrar no "vermelho", mas as medidas anunciadas pelo banco central chinês terão contribuído para moderar as perdas.

Nova baixa das taxas de juro

O banco central chinês anunciou uma nova baixa das taxas de juro - pela quinta vez desde novembro último - reduzindo ainda mais os rácios das reservas obrigatórias dos bancos, num aparente esforço para conter a queda das bolsas da segunda maior economia mundial.

A partir de hoje, a taxa de empréstimos a um ano e a taxa de depósitos a um ano vão diminuir em 25 pontos base, reduzindo-se para 4,60% e 1,75%, respetivamente, segundo divulgou a entidade financeira na sua página oficial na Internet.

Em paralelo, o banco central deu conta do corte em 50 pontos base do rácio das reservas mínimas obrigatórias impostas a determinadas instituições financeiras.

Ainda no mesmo dia, o Banco Popular da China fez saber que injetou 150.000 milhões de yuan (cerca de 20,3 mil milhões de euros) para aumentar a liquidez do sistema financeiro do país.

Bolsa de Tóquio fecha a ganhar mais de 3% após seis sessões no "vermelho"

A bolsa de Tóquio encerrou hoje em forte alta, com o principal índice, o Nikkei, a ganhar 579,73 pontos, ou 3,26%, cotando-se nos 18.386,43 pontos, após seis sessões consecutivas no "vermelho".

Também o segundo indicador, o Topix, fechou a valorizar 46,32 pontos, ou 3,23%, até aos 1.478,97 pontos.

Bolsas na Europa negoceiam no vermelho sob forte volatilidade

As bolsas na Europa estão a negociar no vermelho. Cerca das 08:20 horas em Lisboa, o Euro Stoxx 50 oscilava entre a queda de 2,31% de Atenas e o recuo de 1,42% de Madrid. Paris perdia 2,06%, Frankfurt caía 1,84%, Londres recuava 1,57%, Milão escorregava 1,44% e Lisboa cedia 1,86%.

Com Lusa

  • Bolsa chinesa continua em derrocada
    1:23

    Economia

    A bolsa chinesa continua em derrocada depois do segundo dia de perdas significativas. Numa altura em que as autoridades chinesesas tentam de tudo para acalmar a derrocada, a praça de Xangai fechou a cair mais de 7,5%, enquanto no resto do mundo já há sinais de recuperação.

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartido de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • "Avançámos em primeiro lugar com incentivos às empresas"
    18:07

    Economia

    O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, esteve na Edição da Noite da SIC Notícias para falar do que pode ser feito depois da tragédia dos incêndios que assolou o país na última semana. O governante diz que já avançou com incentivos às empresas afetadas e que neste momento o mais importante é preservar a segurança das pessoas.

    Entrevista SIC Notícias

  • Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado debates com as bases do PSD
    0:40

    País

    Pedro Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado a realização de debates com as bases do partido. Fernando Negrão, responsável pela candidatura de Santana Lopes à presidência do PSD, já tinha advertido em comunicado que a posição de Rui Rio poderia também inviabilizar quaisquer outros frente a frente, incluindo os organizados pela comunicação social. Santana Lopes está na Guarda, no primeiro jantar com apoiantes desde que anunciou a candidatura.

  • Gémeas correm risco de vida se não saírem de Gaza

    Mundo

    Duas irmãs gémeas siamesas correm risco de vida enquanto permanecerem em Gaza. Quem diz é o médico Alam Abu Hamba, do Hospital de Shifra, que garante que "situação complicada" das meninas não pode ser tratada por médicos no território costeiro, atulamente bloqueado pelo Egito e por Israel. Abu Hamba espera que o casal de gémeas possa ser transferido para fora da separação.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC