sicnot

Perfil

Economia

Bolsa de Xangai fecha a cair 1,27%, Europa segue tendência

A Bolsa de Xangai encerrou hoje a perder 1,27% na quarta-feira, não conseguindo recuperar depois de dois dias a cair a pique. As medidas anunciadas pelo banco central chinês atenuaram as pesadas perdas que marcaram o arranque da semana, mas foram insuficientes para inverter a tendência. Por isso, já esta manhã, os mercados europeus abriram em nova queda, assim como o índice PSI20 em Lisboa.

© Jason Lee / Reuters

O Índice Composite de Xangai fechou a cair 37,68 (1,27%), cotando-se nos 2,927.29 pontos, numa sessão muito volátil, iniciada em alta ligeira (0,53%), em que chegou a valorizar até 4,29% e a descer até 3,85%.

O principal indicador da bolsa de Shenzhen, a segunda praça financeira da China, caiu 3,05% no encerramento, até aos 1,695.76 pontos.

Depois de ter "afundado" 8,49% - na maior queda em oito anos no volátil mercado de capitais da China - na "segunda-feira negra" e de ter fechado, no dia seguinte, a cair 7,63%, a bolsa de Xangai voltou hoje a encerrar no "vermelho", mas as medidas anunciadas pelo banco central chinês terão contribuído para moderar as perdas.

Nova baixa das taxas de juro

O banco central chinês anunciou uma nova baixa das taxas de juro - pela quinta vez desde novembro último - reduzindo ainda mais os rácios das reservas obrigatórias dos bancos, num aparente esforço para conter a queda das bolsas da segunda maior economia mundial.

A partir de hoje, a taxa de empréstimos a um ano e a taxa de depósitos a um ano vão diminuir em 25 pontos base, reduzindo-se para 4,60% e 1,75%, respetivamente, segundo divulgou a entidade financeira na sua página oficial na Internet.

Em paralelo, o banco central deu conta do corte em 50 pontos base do rácio das reservas mínimas obrigatórias impostas a determinadas instituições financeiras.

Ainda no mesmo dia, o Banco Popular da China fez saber que injetou 150.000 milhões de yuan (cerca de 20,3 mil milhões de euros) para aumentar a liquidez do sistema financeiro do país.

Bolsa de Tóquio fecha a ganhar mais de 3% após seis sessões no "vermelho"

A bolsa de Tóquio encerrou hoje em forte alta, com o principal índice, o Nikkei, a ganhar 579,73 pontos, ou 3,26%, cotando-se nos 18.386,43 pontos, após seis sessões consecutivas no "vermelho".

Também o segundo indicador, o Topix, fechou a valorizar 46,32 pontos, ou 3,23%, até aos 1.478,97 pontos.

Bolsas na Europa negoceiam no vermelho sob forte volatilidade

As bolsas na Europa estão a negociar no vermelho. Cerca das 08:20 horas em Lisboa, o Euro Stoxx 50 oscilava entre a queda de 2,31% de Atenas e o recuo de 1,42% de Madrid. Paris perdia 2,06%, Frankfurt caía 1,84%, Londres recuava 1,57%, Milão escorregava 1,44% e Lisboa cedia 1,86%.

Com Lusa

  • Bolsa chinesa continua em derrocada
    1:23

    Economia

    A bolsa chinesa continua em derrocada depois do segundo dia de perdas significativas. Numa altura em que as autoridades chinesesas tentam de tudo para acalmar a derrocada, a praça de Xangai fechou a cair mais de 7,5%, enquanto no resto do mundo já há sinais de recuperação.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47