sicnot

Perfil

Economia

Dois em cada três pares de sapatos produzidos no mundo vêm da China

A produção mundial de calçado aumentou 8% em 2014, para 24 mil milhões de pares, destacando-se a China como "líder indiscutível" ao fabricar quase dois em cada três pares de sapatos, segundo dados do último World Foowear Yearbook.

© Jianan Yu / Reuters


Elaborado e distribuído em todo o mundo pela Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), aquele que é descrito como "o mais complexo barómetro à industria de calçado a nível internacional" -- e cuja edição relativa a 2014 foi apresentada em julho na Alemanha - evidencia que a estrutura geográfica da indústria permanece "praticamente inalterada" relativamente ao passado recente.

"A nível internacional a China é o líder indiscutível, produzindo quase dois em cada três pares de sapatos vendidos no mundo", conclui o trabalho, segundo o qual a Ásia é responsável por 88% da produção mundial de calçado, sendo seis dos 10 principais produtores de calçado mundial países asiáticos.

Já a Europa assegurou, no ano passado, apenas 3% da produção mundial de calçado.

Analisando a evolução ao longo dos últimos cinco anos, assistiu-se a um aumento "significativo" da quota mundial da Ásia, que passou de 49% em 2010 para 52% em 2014, com a China a assumir aqui a liderança e a vir "consistentemente" consolidando a sua posição ao longo dos anos.

Os EUA e a Índia surgem no segundo e terceiro postos, respetivamente.

Os dados do World Foowear Yearbook para 2014 apontam também novos níveis recordes no comércio internacional de calçado, com as exportações a somarem 16 mil milhões de pares e 133 mil milhões de dólares (117,8 mil milhões de euros).

Também aqui a China consolidou a liderança "de forma esmagadora", segundo destaca a APICCAPS, sendo a origem de mais de sete em cada 10 pares de calçado exportados.

No ano passado, no 'top 15' dos principais exportadores mundiais apenas constam países asiáticos (como a China, Vietname, Hong Kong e Índia) e europeus (Itália, Bélgica, Alemanha, Países Baixos, Espanha, França, Portugal, Roménia, Eslováquia e Reino Unido).

Quanto ao preço médio de exportação por par, tem mostrado uma "tendência clara" de aumento na última década, passando de 5,97 dólares (5,29 euros) em 2004 para 8,12 dólares (7,19 euros) em 2014, o que corresponde a um crescimento de 36%.

No ano passado, contudo, e em contraciclo com esta tendência, o preço médio de exportação do calçado recuou 2%.

Entre os 15 maiores exportadores, a Itália regista o maior preço médio de exportação (50,92 dólares - 45,12 euros), seguida de Portugal (31,88 dólares -- 28,25 euros) e França (31,74 dólares - 28,13 euros).

O calçado espanhol fica-se pelo 7.º lugar da lista (com um preço médio de 22,03 dólares - 19,52 euros), ainda assim muito acima dos 4,44 dólares (3,94 euros) do par de calçado chinês.

Quanto aos preços de exportação do calçado de couro, após vários anos de crescimento caíram pela primeira vez em 2014 e atingiram os 25,16 dólares (22,29 euros) o par, o que pressionou em baixa os preços de exportação do calçado a nível geral.

Ainda assim, em 2014 o preço médio do calçado de couro foi o dobro do verificado em 2004, representando agora este tipo de calçado menos de 45% do valor das exportações totais de calçado.

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas.

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Oposição alarga protesto e anuncia "tomada da Venezuela"

    Mundo

    A oposição venezuelana recusou esta quinta-feira a proibição de manifestações decretada pelo Governo e avisou que, em resposta, ampliará o protesto previsto para sexta-feira, passando de uma "tomada de Caracas" para uma "tomada da Venezuela".

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC