sicnot

Perfil

Economia

Economia portuguesa cresceu 1,5% no 2º trimestre

A economia portuguesa cresceu 1,5% no segundo trimestre de 2015 face ao período homólogo e registou um crescimento em cadeia de 0,4%, segundo números hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Os números hoje divulgados estão em linha com a estimativa rápida das contas nacionais trimestrais, divulgada a 14 de agosto pelo INE, segundo a qual o Produto Interno Bruto (PIB) registou um aumento homólogo de 1,5% no segundo trimestre deste ano, uma taxa de variação "idêntica à observada no primeiro trimestre".

Este desempenho deveu-se, por um lado, ao "contributo negativo significativo" da procura externa líquida, verificando-se "uma aceleração das importações de bens e serviços a um ritmo superior ao das exportações de bens e serviços", segundo o INE.

O INE destaca "o contributo positivo da procura interna", que aumentou no segundo trimestre, refletindo a evolução do investimento".

Relativamente ao primeiro trimestre deste ano, o PIB aumentou 0,4% entre abril e junho, uma variação também "idêntica à registada nos dois trimestres anteriores", tendo-se verificado "um contributo positivo da procura interna, refletindo principalmente o crescimento do consumo privado, enquanto o contributo da procura externa líquida foi negativo".

No primeiro trimestre, a economia portuguesa aumentou 0,4% em cadeia e apresentou um crescimento homólogo de 1,5%, de acordo com os números divulgados pelo INE em maio e que não foram revistos hoje pelo instituto.

O Governo espera que o PIB português cresça 1,6% em 2015.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".