sicnot

Perfil

Economia

Decretados serviços mínimos para greve de cinco dias na Soflusa

O tribunal arbitral do Conselho Económico e Social (CES) decretou serviços mínimos para as greves convocadas para os dias 14, 15, 21, 22 e 23 de setembro na transportadora fluvial Soflusa, segundo um comunicado hoje divulgado.

De acordo com a nota do CES, o tribunal arbitral decretou como serviços mínimos a realização de carreiras que partem do Barreiro às 05:15 e 06:15 e o seu regresso e carreiras que saem de Lisboa às 05:45 e 06:40.

O CES decretou ainda que têm de ser assegurados dois trabalhadores para a amarração dos barcos e para a mesa de controlo.

Várias estruturas sindicais convocaram três horas de greve por turno para aqueles dias para reivindicarem aumentos salariais e mostrarem a "indignação dos trabalhadores com o incrível aumento que a administração atribuiu aos diretores e aos chefes de núcleo", disse fonte sindical.

"Os trabalhadores grevistas asseguram os serviços necessários à segurança e manutenção do equipamento e instalações, bem como os serviços de emergência que, em caso de força maior, reclamem a utilização dos meios disponibilizados pela Soflusa", lê-se na decisão do tribunal arbitral.

A Soflusa assegura a ligação fluvial entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, em Lisboa.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.