sicnot

Perfil

Economia

Apoio à banca agravou a dívida de Portugal em 11% do PIB entre 2008 e 2014

O apoio ao setor financeiro agravou a dívida pública portuguesa em 11% entre 2008 e 2014 e penalizou o défice orçamental em 2,9% do PIB no mesmo período, segundo um estudo do Banco Central Europeu (BCE) hoje divulgado.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

No estudo intitulado "O impacto orçamental do apoio ao setor financeiro durante a crise", hoje conhecido, o BCE calcula que "a dívida pública da zona euro como um todo aumentou 4,8% do PIB no período de 2008 a 2014 devido à assistência ao setor financeiro".

Portugal foi o quinto país da zona euro onde esse impacto foi mais expressivo (11% do PIB), "sobretudo em resultado de intervenções mais recentes", ficando atrás da Irlanda (22,6%), da Grécia (22,2%), de Chipre (19,4%) e da Eslovénia (18,2%), segundo as contas da instituição liderada por Mario Draghi.

No entanto, "o aumento da dívida em resultado do apoio ao setor financeiro corresponde a menos de um quinto do aumento total dívida ao longo do mesmo período", nota o BCE, destacando que este impacto "varia consideravelmente entre os países".

Quanto ao défice orçamental, Frankfurt reporta que as medidas de assistência financeira à banca "levaram a um agravamento do saldo orçamental de 1,8% do PIB em termos acumulados entre 2008 e 2014", um impacto que também "difere consideravelmente" de economia para economia.

Portugal foi o oitavo país da zona euro onde o impacto do apoio ao setor financeiro mais agravou o défice orçamental (2,9% do PIB), mas este impacto foi "particularmente forte" na Irlanda, tendo piorado o saldo orçamental em quase 25% do PIB.

Também os saldos orçamentais da Grécia, de Chipre e da Eslovénia foram "substancialmente afetados" pelas medidas de apoio à banca, com um impacto acumulado no défice entre os 8% e os 13% do PIB entre 2008 e 2014.

Noutros países, este efeito foi "mais limitado", oscilando entre os 0,4% do PIB na Bélgica e os 4,4% em Espanha e, no caso de França, Itália e Luxemburgo, estas medidas "até excederam ligeiramente as despesas", tendo tido por isso um efeito positivo no saldo orçamental.

Segundo o estudo do BCE, comparando com crises financeiras anteriores em economias desenvolvidas, "a deterioração das finanças públicas da zona euro foi pior, apesar da dimensão semelhante da ajuda ao setor financeiro".

O BCE cita um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) que avaliou os custos orçamentais de 60 crises bancárias sistémicas entre 1970 e 2011, concluindo que, em média, a dívida aumentou cerca de 12% do PIB, sendo apenas sete pontos percentuais devidos a custos orçamentais diretos do apoio ao setor financeiro.

Ainda citando o FMI, o BCE refere que, com uma amostra de 25 crises bancárias sistémicas entre 2007 e 2011, o Fundo apurou que a dívida aumentou 18% do PIB naquele período, dos quais 4,2 pontos percentuais são explicados por custos orçamentais diretos, "o que compara com um aumento da dívida pública da zona euro de quase 22% do PIB, dos quais 4,6% se justificam diretamente com o apoio ao setor financeiro".

Para o BCE, "estas diferenças sugerem que os custos macroeconómicos indiretos da crise financeira na zona euro foram ainda mais pronunciados, comparando com crises bancárias sistémicas anteriores".

Durante a crise financeira, a maioria dos países da zona euro deu assistência financeira ao setor bancário para salvaguardar a estabilidade financeira do setor e evitar uma quebra abrupta do crédito à economia, escreve o BCE, sublinhando que as medidas de apoio ao setor financeiro representaram, em termos acumulados, 8% do PIB da zona euro.

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.