sicnot

Perfil

Economia

Não estão previstos novos pagamentos antecipados ao FMI, diz ministra

Não estão previstos novos pagamentos antecipados ao FMI, diz ministra

A ministra das Finanças diz que não estão equacionados novos pagamentos de dívida ao FMI até ao final do ano. O que havia a pagar já está pago. Agora tudo depende das condições de mercado e nada tem a ver com a venda falhada do Novo Banco, garantiu Maria Luís Albuquerque.

  • O "lapso" de Passos sobre o pagamento ao FMI
    0:35

    Novo Governo

    Pedro Passos Coelho diz que o Estado já pagou antecipadamente ao FMI mais de 8 mil milhões de euros, desde o início do ano. Foi desta forma que, no discurso desta noite, em Faro, o líder da coligação Portugal à Frente corrigiu o que tinha dito à hora de almoço. Um "lapso", foi assim que o próprio gabinete do primeiro-ministro classificou o anúncio que acabou por marcar o dia da coligação, numa declaração durante o comício da hora de almoço, em Beja.

  • Passos admite lapso, Portas lança ataques diretos a Costa
    3:11

    Novo Governo

    Passos Coelho admite ter-se enganado quando anunciou um pagamento antecipado ao FMI. Ontem à noite, aproveitou o comício de Faro para corrigir a gafe e depois partiu para o ataque: numa indireta a António Costa, disse que o país não pode ficar à mercê da vaidade e do capricho político do PS.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.