sicnot

Perfil

Economia

Ministro Poiares Maduro diz que gastronomia vale "20% do produto interno bruto"

O ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional realçou hoje, no Porto, que a gastronomia "tem um valor muito próximo de 20% do produto interno bruto" de Portugal, o que "dá bem a ideia do peso económico desta área".

MIGUEL A. LOPES

Poiares Maduro falava no encerramento a cerimónia de apresentação do Manifesto CULINAR - Norte de Portugal, lançado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) com o intuito de ser "nova plataforma regional em defesa da cultura gastronómica do Norte de Portugal".

Poiares Maduro realçou que a gastronomia envolve setores como a restauração e o agroalimentar" e, por outro lado, possui "um valor económico que assenta deste logo no seu valor cultural e identitário".

"Comer não é hoje, seguramente, a mera satisfação básica de uma necessidade, mas sim um ato social", completou.

O ministro sustentou que comer tem a ver com cultura, o que, em sua opinião, "transforma a gastronomia num elemento de identidade do território do nosso país e de cada região do nosso pais e isso tem um valor enorme".

"Falar de gastronomia é também uma forma de contar a nossa história", considerou.

O ministro acrescentou ainda que "a gastronomia também pode ser vista como talvez o melhor exemplo da verdadeira competitividade económica que país deve procurar, porque é uma competitividade inteligente".

"A competitividade inteligente é que assente no território e na valorização dos seus ativos", como a sua população e os seus recursos naturais. "É essa competitividade que nos diferencia no mundo global e é essa diferença que nos dá valor", continuou.

Poiares Maduro destacou que "o manifesto CULINAR ali a tradição à inovação e o conhecimento ao território".

"Só com tradição não se evolui e não se surpreende, não se reforça a qualidade e não se renova, mas uma inovação desligada do território também é inconsequente", afirmou.

O presidente da CCDR-N, Emídio Gomes, realçou que o manifesto CULINAR surgiu para ser "um fórum agregador de muita gente e de muitas entidades que já fazem coisas notáveis" na área gastronómica.

"Queremos criar condições para uma região cheia de estrelas e, para isso, estamos empenhados num grande esforço para prosseguir no desenvolvimento de investigação aplicada, de transferência de tecnologia e de formação especializada", frisou o presidente da CCDR-N, Emídio Gomes, numa declaração sobre a iniciativa enviada à agência Lusa.

"A necessidade de preservação e potenciação de recursos naturais e o compromisso com princípios de sustentabilidade e autenticidade" estão entre os principais objetivos inscritos no documento.

O CULINAR ambiciona "fazer do Norte de Portugal uma das regiões de excelência a nível mundial" e criar até uma marca, tirando partido dos seus vinhos, gastronomia e os produtos locais.

O manifesto como primeiros subscritores os chefes Rui Paula, Pedro Lemos, Ricardo Costa, Renato Cunha e o brasileiro Felipe Rameh e por Emídio Gomes e Poiares Maduro.

Lusa

  • Poiares Maduro em entrevista
    11:04

    Opinião

    A cimeira europeia e a crise dos refugiados em análise. Miguel Poiares Maduro, ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional foi o convidado da Edição da Noite.

  • Marcelo não comenta proposta sobre nomeação do governador do BdP
    0:14

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar a proposta do grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira, que recomenda que o governador do Banco de Portugal seja nomeado pelo Presidente da República. Marcelo não quis comentar o assunto esta quarta-feira durante a tomada de posse do Reitor da Universidade de Lisboa.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.