sicnot

Perfil

Economia

IKEA pode estar interessado nos terrenos da Feira Popular

O IKEA pode estar interessado nos terrenos da Feira Popular, em Lisboa, que vão a hasta pública no próximo dia 20 de outubro.

© Neil Hall / Reuters

O Semanário Económico avançou com a notícia que, de acordo com fontes ligadas ao processo, o grupo sueco terá pedido explicações sobre os terrenbos à Câmara Municipal de Lisboa. À SIC, o grupo não quis comentar, nem confirmou as informações publicadas, afirmando apenas que pretende abrir mais 10 lojas em Portugal até 2025.


Os terrenos da Feira Popular que estão há 12 anos sem destino concreto e vão agora ser vendidos em hasta pública por um valor superior a 135 milhões de euros.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.