sicnot

Perfil

Economia

Lagarde diz que há motivos para preocupação com a economia mundial

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou hoje que há "razões para preocupação" com a economia mundial, afetada pela desaceleração na China e pela provável subida das taxas de juro nos Estados Unidos.

JIM LO SCALZO

"Há razões (...) para preocupação. A perspetiva de uma subida das taxas de juro nos Estados Unidos e o abrandamento na China alimentam uma incerteza e uma maior volatilidade dos mercados", declarou Lagarde num discurso em Washington.

A dirigente apontou igualmente uma "nítida desaceleração" do comércio mundial e a "queda rápida" dos preços das matérias-primas, que penalizam as finanças dos países emergentes que as exportam.

Os progressos económicos alcançados por esses países parecem agora "ameaçados", disse Lagarde, dias antes da abertura da assembleia anual do FMI, que este ano se realiza em Lima, capital do Peru.

A responsável não revelou as novas previsões mundiais do FMI que serão divulgadas nessa ocasião, mas referiu que o crescimento económico global deve ser este ano "mais fraco" do que em 2014.

No discurso, Largade manifestou-se particularmente preocupada com o impacto de uma próxima subida das taxas de juro do banco central norte-americano, que estão próximas de zero desde finais de 2008.

Segundo Lagarde, essa mudança poderá levar os investidores a retirarem os fundos dos países emergentes para os Estados Unidos, com uma valorização ainda maior do dólar, quando muitas empresas têm as suas dívidas em dólares.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.