sicnot

Perfil

Economia

Taxa de desemprego homóloga desce em agosto na zona euro e Portugal acompanha

A taxa de desemprego na zona euro e na União Europeia (UE) baixou para os 11,0% e os 9,5% em agosto, face ao mês homólogo de 2014, uma tendência acompanhada por Portugal (12,4%), divulgou hoje o Eurostat.

Reuters

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, a taxa de desemprego na zona euro e na UE manteve-se estável em agosto, face a julho, enquanto em Portugal subiu 0,1 pontos percentuais.

O desemprego baixou 0,5% na zona euro, 0,6% na UE e 1,2% em Portugal, na comparação homóloga.

As taxas de desemprego mais baixas registaram-se, em agosto, na Alemanha (4,5%), na República Checa (5,0%) e em Malta (5,1%), enquanto as mais elevadas foram assinaladas na Grécia (25,2%, em junho) e em Espanha (22,2%).

Na comparação homóloga, a taxa de desemprego recuou em 20 Estados-membros, aumentou noutros quatros e estabilizou na Roménia, tendo as maiores quebras sido assinaladas na Estónia (de 8,0% para 5,7%, entre julho de 2014 e julho de 2015), na Eslováquia (de 13,2% para 11,1%) e em Espanha (de 24,2% para 22,2%).

No que respeita ao desemprego jovem, a taxa registada foi de 22,3% na zona euro e de 20,4% na UE, em baixa face aos 23,6% e aos 21,9%, respetivamente, de agosto de 2014.

Em Portugal, a taxa de desemprego homóloga entre os trabalhadores com menos de 25 anos baixou de 33,2% para 31,8%.

Espanha (48,8%), Grécia (48,3%, em junho), Croácia (43,5% no segundo trimestre de 2015) e Itália (40,7%) registaram as taxas de desemprego juvenil mais altas e a Alemanha (7,0%), a Áustria (10,8%), a Holanda (11,2%) e a Dinamarca (11,4%) as mais baixas.

O Eurostat estima que em agosto de 2015, estavam desempregadas 23.022 milhões de pessoas, das quais 17.603 milhões na zona euro

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.