sicnot

Perfil

Economia

Despedimentos na Somague são "a prova de que construção continua em crise", diz sindicato

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção, Albano Ribeiro, afirmou hoje que o despedimento de 273 trabalhadores da Somague é a prova de que o setor continua em crise, adiantando que "a empresa não tinha outra solução".

(SIC/ Arquivo)

"Este despedimento coletivo é a prova de que o setor continua em crise e, se não forem tomadas medidas a curto prazo, outras empresas terão que seguir o mesmo caminho", alertou o dirigente sindical, reagindo ao despedimento coletivo de 273 trabalhadores pela Somague.

Em declarações à Lusa, Albano Ribeiro explicou que "as empresas não têm outra solução dada a situação factual", precisando que a Somague teve 250 trabalhadores durante mais de um ano em casa, à espera do lançamento de novas obras, com um custo mensal de 150 mil euros.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção, que reuniu com os Recursos Humanos da Somague, "mais empresas estão a aguentar e, face à inexistência de novos projetos, terão que recorrer a despedimentos coletivos".

A Somague vai despedir 273 trabalhadores no âmbito de uma reestruturação do grupo de construção e obras públicas, motivada pela retração do mercado da construção nos países onde opera, nomeadamente Angola, Moçambique e Brasil.

Fonte oficial da Somague confirmou à Lusa que o despedimento coletivo de 273 trabalhadores se deve à reestruturação do grupo, que opera num mercado que tem sofrido "uma queda enorme e continuada".

Para fazer face à queda no mercado nacional, o grupo apostou na expansão internacional, para países de língua oficial portuguesa, sobretudo Angola, Moçambique e Brasil, que entretanto também viram as suas economias afetadas.

De acordo com a mesma fonte, "o setor da construção sofreu também uma paragem significativa nestes mercados, o que obrigou a ajustar a estrutura à nova realidade".

Os trabalhadores abrangidos pelo despedimento coletivo, transversal a toda a estrutura da empresa, tomaram esta manhã conhecimento da decisão.

No final de dezembro de 2014, o grupo Somague empregava 2.330 trabalhadores, número que se mantinha estável face ao ano anterior, refere o relatório e contas.

Angola foi o principal mercado da Somague em 2014, que tem vindo a sofrer com a crise do petróleo, enquanto o Brasil tem vindo a ganhar cada vez mais peso na carteira da construtora.

Segundo o relatório e contas, em 2014, a carteira da construtora foi a maior "de sempre", alcançando os 1.110 milhões de euros.

Lusa

  • Espanha e Portugal a um ponto dos oitavos

    Mundial 2018 / Irão

    A Espanha colocou-se esta quarta-feira a um ponto dos oitavos de final do Mundial 2018 e deixou Portugal em situação idêntica, ao vencer o Irão por 1-0, em jogo do grupo B, disputado em Kazan.

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.