sicnot

Perfil

Economia

Tribunal de Contas da União do Brasil rejeita contas de Rousseff de 2014

O Tribunal de Contas da União (TCU) do Brasil rejeitou quarta-feira à noite as contas de 2014 da Presidente Dilma Rousseff, devido a irregularidades que incluem uma manobra para ocultar a dívida usando dinheiro de bancos públicos.

© Bruno Domingos / Reuters


Esta é a primeira vez que aquele órgão rejeita as contas de um Presidente brasileiro. A defesa do Governo, por meio do Advogado Geral da União, Luís Inácio Adams, criticou o parecer, por considerá-lo político e não apenas técnico.

O TCU é um órgão auxiliar ao Congresso Nacional e a sua decisão funciona como um parecer, que será encaminhado para a Comissão Mista de Orçamento da Casa e depois poderá ser votado pelos parlamentares.

Caso os deputados e senadores sigam o parecer do TCU e rejeitem as contas, pode ser aberto um motivo para fundamentar um pedido de impugnação de mandato de Rousseff.

As falhas apontadas à prestação de contas do Governo pelo magistrado relator, Augusto Nardes, incluem a chamada "pedalada fiscal", uma manobra do Governo para ocultar a sua dívida e manter despesas usando dinheiro de bancos públicos.

O relator afirmou que 37 mil milhões de reais (10,6 mil milhões de euros) em dívidas foram escondidos pelo Governo, usando o artifício dos bancos públicos, o que viola a Lei de Responsabilidade Fiscal.

O TCU considera existiu o repasse de benefícios sociais pelos bancos públicos sem que haja capital do Governo para ressarci-los como empréstimo, o que não é permitido.

Outra irregularidade apontada pelo magistrado foi a emissão de decretos de Rousseff que aprovaram despesas sem a autorização do poder legislativo.

Anteriormente, o TCU tinha recusado um pedido do Governo para o afastamento de Augusto Nardes e outro para que a sessão de hoje fosse suspeita.

O Governo brasileiro reagiu através de um comunicado divulgado pela imprensa local, no qual afirma que não há ilegalidades nas contas de 2014 e nem motivos para recusá-las.

A nota realça que o parecer do TCU é prévio e que as contas ainda serão analisadas pelo Congresso.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.