sicnot

Perfil

Economia

Legalização de canábis reverteria milhões para os governos

A conclusão é de um estudo britânico: o Governo arrecadaria milhões de libras por ano em impostos e em cortes no policiamento e nas prisões com a legalização da canábis.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O relatório do Tesouro britânico, a que a BBC teve acesso, afirma que a regulação do mercado "traria um enorme retorno em impostos" e "levaria a uma grande poupança na justiça criminal". Segundo a estimativa, com a receita dos impostos e o cortes na despesa, reduziriam o défice orçamental britânico em 1,25 mil milhões de libras por ano (cerca de 1.67 mil milhões de euros).

O estudo sublinha que 2,2 milhões de britânicos entre os 16 e os 59 anos terão consumido canábis no ano passado - o que equivale a 216 toneladas da substância.

No início desta semana, o Parlamento britânico debateu a questão, após ter recebido uma petição com mais de 220 mil assinaturas a pedir a legalização da canábis. No entanto, o Governo não tenciona alterar a lei que classifica a droga como ilegal, cuja posse é punida com prisão e multa.

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46