sicnot

Perfil

Economia

Comerciantes passam a ter de devolver dinheiro pelo gás que fica no fundo da botija

A nova lei que obriga os vendedores de gás engarrafado a devolverem em dinheiro o que fica no fundo da botija, bem como a aceitação obrigatória de garrafas de qualquer marca, vai entrar em vigor na terça-feira. Mas falta ainda o regulamento.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Regis Duvignau / Reuters

O decreto-lei, publicado hoje em Diário da República, vem ao encontro do que foi decidido em Conselho de Ministros a 13 de agosto e que definiu que "todos os distribuidores e operadores retalhistas de GPL [Gás de Petróleo Liquefeito] engarrafado são obrigados a realizar a receção e troca de garrafas vazias de GPL, independentemente da marca".

Ou seja, por exemplo, um revendedor da Galp, que lidera o mercado, passa a ter de aceitar uma garrafa da marca Repsol e ao preço da garrafa de butano ou propano será descontado o valor que ficar no fundo.

A nova legislação, que faz a revisão à lei de bases do sistema petrolífero nacional, coloca o ónus dos mecanismos de armazenamento e transporte nos operadores, assegurando "o tratamento não discriminatório dos consumidores e dos distribuidores e que não envolvam o pagamento de encargos adicionais para o consumidor e de acordo com princípios de racionalidade económica, eficiência operacional e segurança".

Segundo dados da associação de consumidores Deco, há cerca de 300 gramas de gás que não são aproveitados e que por norma são devolvidos aos operadores, sendo que o custo anual deste desperdício para cada consumidor foi estimado em cerca 72 euros.

Revendedores alertam para "perigo de morte"

Apesar de entrar em vigor já na terça-feira, o novo decreto-lei ainda não vai ser suficiente para se passar à prática, isto porque estas medidas terão de ser regulamentadas pela Entidade Nacional do Mercado de Combustíveis (ENMC).

Esta é uma decisão que está a dar alguma polémica junto dos operadores e revendedores, que alertam para "perigo de morte".

O vice-presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (ANAREC), José Reis, disse em agosto que a medida "é um incentivo para que haja mortes".

Segundo o responsável da ANAREC, existe o perigo de os consumidores "quererem colocar outro tipo de líquido nas garrafas que não seja gás", pelo que é "um incentivo que pode incorrer numa situação de perigo e de morte".

José Reis explicou, na altura, que, "como há pessoas que fazem das garrafas de gás churrasqueiras, pode haver consumidores que retirem a válvula de segurança da garrafa e metam líquido que não seja gás só para receber dinheiro", adiantando que "mexer nessas válvulas pode provocar mortes, porque existe pressão dentro das botijas".

O mercado de botijas de gás representa 75% do gás consumido em Portugal, pois apenas 25% dos portugueses tem acesso a gás canalizado.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.