sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública ultrapassa os 229 mil milhões

A dívida pública aumentou ligeiramente para 229.074 milhões de euros em agosto, mais 152 milhões de euros do que em julho, segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

De acordo com o Boletim Estatístico hoje publicado pelo banco central, a dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, fixou-se nos 229.074 milhões de euros em agosto, o que representa um ligeiro aumento face ao valor de 228.922 milhões registados em julho.

Já a dívida líquida de depósitos da administração central desceu 701 milhões de euros entre os dois meses, de 213.385 milhões em julho para 212.684 milhões de euros em agosto.

Comparando com o final de 2014, os dados referentes a agosto demonstram que a dívida pública aumentou cerca de 3.300 milhões de euros e que a dívida pública excluindo os depósitos aumentou quase 4.500 milhões de euros.

No final do ano passado, a dívida pública fixou-se nos 225.767 milhões de euros e a dívida pública líquida de depósitos da administração central nos 208.196 milhões de euros.

A dívida na ótica de Maastricht é utilizada para medir o nível de endividamento das administrações públicas de um país e o conceito está definido num regulamento de 2009 do Conselho Europeu, relativo à aplicação do protocolo sobre o procedimento relativo dos défices excessivos anexo ao Tratado que institui a Comunidade Europeia.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida