sicnot

Perfil

Economia

Governo grego demite responsável máxima pela cobrança de impostos

O Governo grego demitiu hoje a secretária-geral das receitas públicas, Katerina Savvaidou, na sequência da abertura de um inquérito por suspeita de favorecimentos a empresas.

© Pascal Lauener / Reuters

A decisão em afastar a "senhora fiscalidade" foi tomada "por unanimidade no conselho de ministros", anunciou a porta-voz do Governo, Olga Gerovassili.

"Nas atuais e difíceis circunstâncias, não é possível aceitar que os servidores do Estado atuem contra o interesse público e favoreçam certas empresas", disse.

Katerina Savvaidou é suspeita, antes de ser designada pelo anterior governo conservador de Antonis Samaras, aliado aos socialistas do Pasok, de ter beneficiado estações de televisão privadas, adiando o prazo para além do limite legal para o pagamento da taxa de 20% sobre receitas da publicidade.

A líder da máquina fiscal grega é ainda acusada de irregularidades na forma como lidou com a reavaliação de uma multa aplicada a uma empresa, no valor de 78 milhões de euros.

O primeiro-ministro Alexis Tsipras, líder do partido de esquerda Syriza e que dirige um executivo em coligação com o partido da direita soberanista Gregos Independentes (Anel), tinha exigido na semana passada a sua demissão, que foi recusada. Numa carta tornada pública, Katerina Savvaidou rejeitou como "infundadas" as acusações e acusou o Governo de não adotar os mesmos critérios face aos seus membros.

Responsável por garantir a cobrança de impostos num país onde a fraude e a evasão fiscal têm sido comuns, o cargo de secretário-geral para as receitas públicas foi criado em 2012 por imposição dos credores internacionais, com o objetivo de terminar com as ligações entre poder político e serviços fiscais.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.