sicnot

Perfil

Economia

Governo reforça mecanismos de controlo financeiro da TAP com vista à privatização

O Governo anunciou hoje que reforçou "os mecanismos de controlo da situação financeira da TAP", para garantir que, caso o Estado opte por reverter o negócio, em caso de incumprimento do comprador, fica com uma empresa em melhores condições.

PEDRO NUNES

"O que entendemos adequado nesta fase, face à dívida financeira e à degradação da situação de tesouraria [da TAP], foi reforçar os mecanismos de controlo da situação financeira que protejam o Estado, no caso de no futuro pelas condições que já estavam anteriormente previstas, o negócio ter de ser revertido", afirmou Sérgio Monteiro, secretário de Estado dos Transportes, na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, hoje em Lisboa.

O governante enumerou algumas das condições que, tal como já estava previsto, podem levar o Estado a acionar a opção de reversão do negócio: a deslocalização do 'hub' em Portugal, o incumprimento dos compromissos laborais ou "se as condições financeiras - capitalização e o serviço de dívida - deixarem de ser cumpridos pelos futuros compradores".

Sérgio Monteiro defendeu que, "se algum destes eventos, que já no passado implicavam uma reversão, acontecer" -- e tendo em conta "a degradação da situação financeira" da TAP - o Governo entendeu que, "na defesa do interesse público, deva imediatamente reforçar os mecanismos de controlo".

O secretário de Estado dos Transportes adiantou que haverá "um auditor em permanência na TAP que produz relatórios de auditoria para o acionista Parpública [gestora das participações públicas]" e sublinhou que "a TAP estará sujeita a uma disciplina de reporte de informação única no país", passando a ter "contas consolidadas mensais assinadas pelo administrador financeiro e auditadas por uma das quatro grandes auditoras internacionais".

O objetivo, explicou, é assegurar que, caso a TAP volte para mãos públicas, terá uma situação financeira melhor do que a registada no momento da venda.

"Queremos ter a certeza de que, se tivermos necessidade de reverter o negócio por incumprimento por parte do comprador de algumas destas matérias e face à degradação da situação financeira, recebemos uma empresa melhor do que a que vendemos nesta altura", reiterou, destacando que, para isso, se vai analisar "qual o nível de dívida líquida da empresa e qual o nível de capital próprio da empresa".

"Para termos a certeza de que, no momento em que revertemos o negócio, parte da capitalização do investidor privado se perde, ou seja, o investidor privado tem uma perda efetiva nessa altura. E que nós, ao retomarmos a companhia, temos ativos e passivos, sendo que os passivos não são superiores aos passivos que temos nesta altura quando estamos a vender a companhia, para não a recebermos [em] pior [situação] do que aquela a que estamos a vender", explicou o governante.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.