sicnot

Perfil

Economia

Número de desempregados em Espanha abaixo dos 5 milhões pela 1ª vez desde 2011

O número de desempregados em Espanha desceu no terceiro trimestre do ano para 4,85 milhões de pessoas, abaixo dos cinco milhões pela primeira vez desde o mesmo trimestre de 2011, indicou hoje o Instituto Nacional de Estatística espanhol.

Reuters

Reuters

© Andrea Comas / Reuters

De acordo com o Inquérito de População Ativa divulgado hoje pelo INE espanhol, a taxa de desemprego no país desceu 1,2 pontos percentuais só no meses de julho, agosto e setembro, ficando agora nos 21,18%. Tal como no caso do número total de pessoas sem emprego, também a taxa de desemprego está em valores de 2011.

O número de pessoas com ocupação em Espanha também subiu. No terceiro trimestre criaram-se mais 182,2 mil postos de trabalho, elevando o total para 18,04 milhões de empregados. Também é necessário recuar a 2011 para encontrar valores acima dos 18 milhões.

Ainda assim, analisando os números desde que o atual Governo entrou em funções (dezembro de 2011), o executivo de Mariano Rajoy - que em menos de dois meses enfrenta eleições gerais - deixa menos 100 mil pessoas empregadas do que há quatro anos.

Os dados do INE também indicam que a subida do emprego neste trimestre assenta no aumento do emprego temporário. Entre julho e setembro, criaram-se 205 mil empregos temporais.

Por outro lado, a taxa de temporalidade (percentagem de trabalhadores temporários face ao total da população que recebe salário) atingiu o valor mais alto em Espanha desde finais de 2008: 26,6%. Ou seja, um em cada quatro assalariados em Espanha tem um trabalho temporário.

A contribuir para a taxa de desemprego está o facto de a população ativa espanhola também ter caído no trimestre em 116 mil pessoas. O número de pessoas com idade e capacidade para trabalhar está abaixo dos 23 milhões (num total de cerca de 45 milhões de habitantes em Espanha), também o valor mais baixo desde inícios de 2008.

De acordo com dados da OCDE divulgados na segunda-feira, Espanha lidera - destacada - a lista de países com mais desemprego registado nos últimos meses. Em agosto, indicou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Espanha tinha o triplo da média de desemprego dos 34 países mais desenvolvidos e o dobro da média europeia.

No desemprego juvenil, Espanha apresenta os piores dados de toda a OCDE.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59