sicnot

Perfil

Economia

Número de inscritos do IEFP cai 12,6% em termos homólogos

O desemprego registado no final do mês de setembro baixou 12,6% em termos homólogos (em relação ao mesmo mês do ano anterior), segundo as estatísticas divulgadas hoje pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) na internet.

No final de setembro, o desemprego, relativo a pessoas sem emprego, "imediatamente disponíveis para trabalhar e com capacidade de trabalho", afetava 538.713 indivíduos, menos 77.909 do que há um ano.

Já em comparação com o mês anterior, o número total de desempregados registados no IEFP aumentou 0,4% (mais 2.132 inscritos).

O principal motivo da inscrição dos desempregados, adianta o IEFP, é o "fim do trabalho não permanente" (44,1%), seguido pela categoria "ex-estudantes" (12,6%) e pelo motivo "despedido", com 7,9%.

O documento do IEFP, designado "Informação Mensal do Mercado de Emprego", é de natureza estatística, pelo que não explica as variações ocorridas.

O IEFP, porém, especifica que a diminuição do número de inscritos nos centros de emprego foi generalizada nos setores da economia: primário (4,2%), secundário (19,0%) e terciário (11,4%).

De forma ainda mais pormenorizada, adianta-se que "as descidas percentuais mais acentuadas verificaram-se na 'fabricação de outros produtos minerais não metálicos' (24,1%), 'construção' (22,4%) e no 'comércio, manutenção, reparação de veículos automóveis e motociclos (21,9%)'".

Regionalmente, a descida homóloga no desemprego registado foi mais forte no Algarve (18,4%, para 16.966), seguida por Centro (14,3%, para 72.465) e Lisboa e Vale do Tejo (14,0%, para 159.096). Na região Norte, a descida de 12,0% não impediu que continue a ser a que apresenta o maior número de desempregados (232.848).

Aquela redução homóloga geral em 12,6%, desdobrada por género, foi mais forte nos homens (13,6%, para 253.291), do que nas mulheres (11,7%, para 285.422).

Dos desempregados registados, 87,5% têm mais de 25 anos, sendo que 88,4% procuram um novo emprego.

Por nível de instrução, os escalões mais representados são os que têm o ensino secundário (24,1%) e o 1.º ciclo (20,7%). Excluindo os que não têm nenhum nível de instrução (30.953, equivalentes a 5,7%) são os licenciados os que sofrem menos esta situação, com 14,6% do universo, num total de 78.605.

Porém, de agosto para setembro, foram precisamente nos dois grupos com mais educação formal (secundário e superior) que se concentrou a subida do desemprego em setembro face a agosto. Entre os licenciados, o desemprego subiu 5,3% (3.972), e entre os detentores do secundário 2,0% (2.541).

No que respeita ao tempo de inscrição, os desempregados inscritos há menos de um ano diminuíram 10,5% relativamente a setembro de 2015, e os desempregados de longa duração (tempo de inscrição igual ou superior a um ano) recuaram 14,7%.

Lusa

  • Novas inscrições nos centros de emprego aumentam em junho

    Economia

    O total de desempregados inscritos nos centros de emprego diminuiu 12,7% em junho face ao mesmo mês de 2014 e recuou 3,1% face a maio, segundo dados hoje divulgados pelo IEFP. ​Contudo, de acordo com o Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP), o número de desempregados que ao longo do mês de junho deste ano se inscreveram nos centros de emprego de todo o país aumentou 6,1% face ao período homólogo, somando 53.650 pessoas.

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.