sicnot

Perfil

Economia

Número de inscritos do IEFP cai 12,6% em termos homólogos

O desemprego registado no final do mês de setembro baixou 12,6% em termos homólogos (em relação ao mesmo mês do ano anterior), segundo as estatísticas divulgadas hoje pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) na internet.

No final de setembro, o desemprego, relativo a pessoas sem emprego, "imediatamente disponíveis para trabalhar e com capacidade de trabalho", afetava 538.713 indivíduos, menos 77.909 do que há um ano.

Já em comparação com o mês anterior, o número total de desempregados registados no IEFP aumentou 0,4% (mais 2.132 inscritos).

O principal motivo da inscrição dos desempregados, adianta o IEFP, é o "fim do trabalho não permanente" (44,1%), seguido pela categoria "ex-estudantes" (12,6%) e pelo motivo "despedido", com 7,9%.

O documento do IEFP, designado "Informação Mensal do Mercado de Emprego", é de natureza estatística, pelo que não explica as variações ocorridas.

O IEFP, porém, especifica que a diminuição do número de inscritos nos centros de emprego foi generalizada nos setores da economia: primário (4,2%), secundário (19,0%) e terciário (11,4%).

De forma ainda mais pormenorizada, adianta-se que "as descidas percentuais mais acentuadas verificaram-se na 'fabricação de outros produtos minerais não metálicos' (24,1%), 'construção' (22,4%) e no 'comércio, manutenção, reparação de veículos automóveis e motociclos (21,9%)'".

Regionalmente, a descida homóloga no desemprego registado foi mais forte no Algarve (18,4%, para 16.966), seguida por Centro (14,3%, para 72.465) e Lisboa e Vale do Tejo (14,0%, para 159.096). Na região Norte, a descida de 12,0% não impediu que continue a ser a que apresenta o maior número de desempregados (232.848).

Aquela redução homóloga geral em 12,6%, desdobrada por género, foi mais forte nos homens (13,6%, para 253.291), do que nas mulheres (11,7%, para 285.422).

Dos desempregados registados, 87,5% têm mais de 25 anos, sendo que 88,4% procuram um novo emprego.

Por nível de instrução, os escalões mais representados são os que têm o ensino secundário (24,1%) e o 1.º ciclo (20,7%). Excluindo os que não têm nenhum nível de instrução (30.953, equivalentes a 5,7%) são os licenciados os que sofrem menos esta situação, com 14,6% do universo, num total de 78.605.

Porém, de agosto para setembro, foram precisamente nos dois grupos com mais educação formal (secundário e superior) que se concentrou a subida do desemprego em setembro face a agosto. Entre os licenciados, o desemprego subiu 5,3% (3.972), e entre os detentores do secundário 2,0% (2.541).

No que respeita ao tempo de inscrição, os desempregados inscritos há menos de um ano diminuíram 10,5% relativamente a setembro de 2015, e os desempregados de longa duração (tempo de inscrição igual ou superior a um ano) recuaram 14,7%.

Lusa

  • Novas inscrições nos centros de emprego aumentam em junho

    Economia

    O total de desempregados inscritos nos centros de emprego diminuiu 12,7% em junho face ao mesmo mês de 2014 e recuou 3,1% face a maio, segundo dados hoje divulgados pelo IEFP. ​Contudo, de acordo com o Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP), o número de desempregados que ao longo do mês de junho deste ano se inscreveram nos centros de emprego de todo o país aumentou 6,1% face ao período homólogo, somando 53.650 pessoas.

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Sol influencia alterações climáticas na Terra

    Mundo

    As flutuações da atividade solar têm um efeito sobre o clima da Terra, concluiu um estudo de investigadores suíços, que conseguiu, pela primeira vez, estimar a influência do Sol no aquecimento do planeta.