sicnot

Perfil

Economia

Crise do petróleo tirou 38 milhões de dólares de divisas por dia à banca angolana

Os bancos angolanos compraram menos 38 milhões de dólares de divisas por dia em setembro, uma quebra de quase 40 por cento face ao mesmo mês de 2014, devido à crise da cotação do petróleo.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

De acordo com dados do relatório mensal do Banco Nacional de Angola (BNA) sobre o mercado de divisas, as vendas diretas da instituição aos bancos comerciais totalizaram em setembro 1.590,29 milhões de dólares (1.440 milhões de euros), o que até representou um aumento, de 37,7%, face a 2014.

Contudo, as divisas que os bancos comerciais compram diretamente aos clientes afundaram no mesmo período mais de 85%, para apenas 268,28 milhões de dólares (243 milhões de euros) em setembro último, comprovando assim a falta de moeda estrangeira nos clientes, segundo dados compilados pela Lusa.

Angola vive uma crise financeira e económica devido à quebra da cotação do barril de crude no mercado internacional, o que por sua vez fez diminuir a entrada de divisas no país, necessárias para garantir nomeadamente as importações de alimentos, máquinas e matéria-prima.

No total, os bancos comerciais tiveram acesso a 62 milhões de dólares (56,1 milhões de euros) em divisas por dia em setembro, quando há um ano, antes da crise do petróleo, esse valor rondava os 100 milhões de dólares (90,6 milhões de euros), representando uma quebra homóloga de 37,8%.

A situação económica e financeira em Angola está a obrigar o BNA a fazer "vendas de divisas direcionadas" aos bancos, "para satisfazer as operações definidas como prioritárias, pelo Executivo, num contexto de diminuição das disponibilidades cambiais e elevado risco de desequilíbrio do referido mercado, face à redução dos 'stocks' alimentares e de matérias-primas bem como riscos de paralisação dos serviços essenciais ao funcionamento da economia".

Tal como nos últimos meses, mantêm-se as dificuldades no acesso a moeda estrangeira nos bancos, com o mercado paralelo, de rua, a apresentar taxas de câmbio a rondar os 200 kwanzas (1,3 euros) por cada dólar - em queda face a semanas anteriores - para compra de moeda estrangeira.

A falta de divisas, em função da procura, continua a dificultar, por exemplo, as necessidades dos cidadãos que precisam de fazer transferências para o pagamento de serviços médicos ou de educação no exterior do país ou que viajam para o estrangeiro.

No mês de setembro, o BNA definiu vendas direcionadas e prioritárias no valor de 1.229,27 milhões de dólares (1.113 milhões de euros). O setor petrolífero liderou este total, garantindo 264,47 milhões de dólares (239 milhões de euros), seguido da aquisição de bens alimentares ao exterior, com 171,58 milhões de dólares (155 milhões de euros), e das telecomunicações, com 169,34 milhões de dólares (153 milhões de euros).

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira