sicnot

Perfil

Economia

Crise do petróleo tirou 38 milhões de dólares de divisas por dia à banca angolana

Os bancos angolanos compraram menos 38 milhões de dólares de divisas por dia em setembro, uma quebra de quase 40 por cento face ao mesmo mês de 2014, devido à crise da cotação do petróleo.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

De acordo com dados do relatório mensal do Banco Nacional de Angola (BNA) sobre o mercado de divisas, as vendas diretas da instituição aos bancos comerciais totalizaram em setembro 1.590,29 milhões de dólares (1.440 milhões de euros), o que até representou um aumento, de 37,7%, face a 2014.

Contudo, as divisas que os bancos comerciais compram diretamente aos clientes afundaram no mesmo período mais de 85%, para apenas 268,28 milhões de dólares (243 milhões de euros) em setembro último, comprovando assim a falta de moeda estrangeira nos clientes, segundo dados compilados pela Lusa.

Angola vive uma crise financeira e económica devido à quebra da cotação do barril de crude no mercado internacional, o que por sua vez fez diminuir a entrada de divisas no país, necessárias para garantir nomeadamente as importações de alimentos, máquinas e matéria-prima.

No total, os bancos comerciais tiveram acesso a 62 milhões de dólares (56,1 milhões de euros) em divisas por dia em setembro, quando há um ano, antes da crise do petróleo, esse valor rondava os 100 milhões de dólares (90,6 milhões de euros), representando uma quebra homóloga de 37,8%.

A situação económica e financeira em Angola está a obrigar o BNA a fazer "vendas de divisas direcionadas" aos bancos, "para satisfazer as operações definidas como prioritárias, pelo Executivo, num contexto de diminuição das disponibilidades cambiais e elevado risco de desequilíbrio do referido mercado, face à redução dos 'stocks' alimentares e de matérias-primas bem como riscos de paralisação dos serviços essenciais ao funcionamento da economia".

Tal como nos últimos meses, mantêm-se as dificuldades no acesso a moeda estrangeira nos bancos, com o mercado paralelo, de rua, a apresentar taxas de câmbio a rondar os 200 kwanzas (1,3 euros) por cada dólar - em queda face a semanas anteriores - para compra de moeda estrangeira.

A falta de divisas, em função da procura, continua a dificultar, por exemplo, as necessidades dos cidadãos que precisam de fazer transferências para o pagamento de serviços médicos ou de educação no exterior do país ou que viajam para o estrangeiro.

No mês de setembro, o BNA definiu vendas direcionadas e prioritárias no valor de 1.229,27 milhões de dólares (1.113 milhões de euros). O setor petrolífero liderou este total, garantindo 264,47 milhões de dólares (239 milhões de euros), seguido da aquisição de bens alimentares ao exterior, com 171,58 milhões de dólares (155 milhões de euros), e das telecomunicações, com 169,34 milhões de dólares (153 milhões de euros).

  • Os efeitos dos incêndios na natureza
    2:46

    País

    Cheias frequentes, erosão dos solos e contaminação dos rios e albufeiras são as previsões unânimes da comunidade científica para os próximos tempos, na sequência dos incêndios florestais. À SIC, o hidrobiólogo Adriano Bordalo Sá e o investigador de recursos florestais Rui Cortes alertam: é necessário começar a tratar da terra queimada o mais rapidamente possível.

  • Número de vítimas mortais dos incêndios sobe para 45

    País

    Uma pessoa que estava internada no Hospital da Prelada, Porto, na sequência dos incêndios do dia 15 nas regiões Centro e Norte, morreu hoje, anunciou a unidade hospitalar, subindo assim para 45 o número de vítimas mortais daqueles fogos.

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartido de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • Achado inédito encontrado na nau de Vasco da Gama naufragada em Omã

    Mundo

    Uma equipa de investigadores afirma ter encontrado, ao largo da costa de Omã, o mais antigo instrumento de navegação alguma vez descoberto. O achado arqueológico é um astrolábio e terá sido localizado no meio do que resta da nau Esmeralda, da frota de Vasco da Gama, naufragada no Oceano Índico em 1503.

    SIC

  • "Isto destrói famílias"
    0:46
  • Eurodeputados homenageiam vítimas dos fogos
    1:38

    País

    A União Europeia vai doar os 50 mil euros do prémio Princesa das Astúrias às populações afetadas pelos incêndios em Portugal e Espanha. A Comissão Europeia continua a avaliar o pedido ao Fundo Europeu de Solidariedade, mas o pedido deverá ainda ser atualizado para incluir os prejuízos causados pelos incêndios da semana passada.