sicnot

Perfil

Economia

Crise do petróleo tirou 38 milhões de dólares de divisas por dia à banca angolana

Os bancos angolanos compraram menos 38 milhões de dólares de divisas por dia em setembro, uma quebra de quase 40 por cento face ao mesmo mês de 2014, devido à crise da cotação do petróleo.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

De acordo com dados do relatório mensal do Banco Nacional de Angola (BNA) sobre o mercado de divisas, as vendas diretas da instituição aos bancos comerciais totalizaram em setembro 1.590,29 milhões de dólares (1.440 milhões de euros), o que até representou um aumento, de 37,7%, face a 2014.

Contudo, as divisas que os bancos comerciais compram diretamente aos clientes afundaram no mesmo período mais de 85%, para apenas 268,28 milhões de dólares (243 milhões de euros) em setembro último, comprovando assim a falta de moeda estrangeira nos clientes, segundo dados compilados pela Lusa.

Angola vive uma crise financeira e económica devido à quebra da cotação do barril de crude no mercado internacional, o que por sua vez fez diminuir a entrada de divisas no país, necessárias para garantir nomeadamente as importações de alimentos, máquinas e matéria-prima.

No total, os bancos comerciais tiveram acesso a 62 milhões de dólares (56,1 milhões de euros) em divisas por dia em setembro, quando há um ano, antes da crise do petróleo, esse valor rondava os 100 milhões de dólares (90,6 milhões de euros), representando uma quebra homóloga de 37,8%.

A situação económica e financeira em Angola está a obrigar o BNA a fazer "vendas de divisas direcionadas" aos bancos, "para satisfazer as operações definidas como prioritárias, pelo Executivo, num contexto de diminuição das disponibilidades cambiais e elevado risco de desequilíbrio do referido mercado, face à redução dos 'stocks' alimentares e de matérias-primas bem como riscos de paralisação dos serviços essenciais ao funcionamento da economia".

Tal como nos últimos meses, mantêm-se as dificuldades no acesso a moeda estrangeira nos bancos, com o mercado paralelo, de rua, a apresentar taxas de câmbio a rondar os 200 kwanzas (1,3 euros) por cada dólar - em queda face a semanas anteriores - para compra de moeda estrangeira.

A falta de divisas, em função da procura, continua a dificultar, por exemplo, as necessidades dos cidadãos que precisam de fazer transferências para o pagamento de serviços médicos ou de educação no exterior do país ou que viajam para o estrangeiro.

No mês de setembro, o BNA definiu vendas direcionadas e prioritárias no valor de 1.229,27 milhões de dólares (1.113 milhões de euros). O setor petrolífero liderou este total, garantindo 264,47 milhões de dólares (239 milhões de euros), seguido da aquisição de bens alimentares ao exterior, com 171,58 milhões de dólares (155 milhões de euros), e das telecomunicações, com 169,34 milhões de dólares (153 milhões de euros).

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".