sicnot

Perfil

Economia

Deutsche Bank vai cortar 9.000 postos de trabalho e sair de dez países

O Deutsche Bank anunciou hoje que vai suprimir 9.000 postos de trabalho e retirar-se de dez países no âmbito de uma profunda reestruturação no seio do maior banco alemão. Somando os 6.000 empregados subcontratados, sobe para 15.000 a redução de empregos em todo o mundo.

(arquivo)

(arquivo)

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

O novo copresidente da instituição financeira, John Cryan, fez este anúncio na apresentação dos resultados do grupo que, entre janeiro e setembro, obteve prejuízos recorde de 4.647 milhões de euros, face a um lucro de 1.250 milhões de euros no mesmo período do ano anterior.

John Cryan, que fez a sua primeira aparição pública após ter sido empossado, afirmou que para voltar à senda dos "lucros sustentáveis" no Deutsche Bank, deve-se "tomar decisões duras" em matéria laboral.

"A nossa casa deve voltar a ser atrativa para os clientes, os acionistas e os trabalhadores", adiantou.

O copresidente não entrou em detalhes sobre os despedimentos e não explicou que regiões ou divisões do banco vão ser afetadas com esta medida.

"O Deutsche Bank não tem nenhum problema de estratégia. Sabemos muito bem para onde queremos ir", afirmou John Cryan, que reconheceu problemas na implementação das últimas reestruturações do grupo bancário.

O objetivo principal do banco alemão na nova era, segundo o copresidente, é voltar a ser uma instituição financeira "íntegra e fiável" com "lucros sustentáveis" que correrá menores riscos e elevará os seus 'standards' de capital.

Os resultados dos próximos exercícios serão negativamente afetados pela reestruturação do grupo, sendo que 2018 será um "ano decisivo" para o banco, explicou Cryan.

Os maus resultados do Deutsche Bank no terceiro trimestre de 2015, devem-se em grande medida a depreciações de 5.800 milhões de euros na banca de investimento.

O novo copresidente do Deutsche Bank classificou os resultados como "absolutamente dececionantes".

Os prejuízos antes de impostos até setembro foram de 3.393 milhões de euros, face a um lucro antes de impostos de 2.864 milhões de euros no mesmo período do ano anterior.

O Deutsche Bank anunciou que, devido aos prejuízos e à profunda reestruturação que planeia, não prevê pagar dividendos aos acionistas nem este ano nem no próximo exercício, uma medida que a instituição financeira nunca tomou desde os anos 50.

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33