sicnot

Perfil

Economia

Lucro da EDP cai 4% para 736 ME nos primeiros nove meses do ano

O resultado líquido da EDP totalizou 736 milhões de euros entre janeiro e setembro, um recuo homólogo de 4% face a igual período de 2014, anunciou hoje a elétrica liderada por António Mexia.

Excluindo os impactos não recorrentes registados, o resultado líquido ajustado ascendeu a 564 milhões de euros até setembro, uma queda de 18% em relação ao homólogo, penalizado pelas condições atmosféricas adversas e pela atualização do valor de mercado das variações cambiais no período, nomeadamente a valorização do dólar face ao euro e ao real, explica a empresa em comunicado ao mercado.

Até setembro, o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) fixou-se nos 2.991 milhões de euros, um acréscimo de 10% face aos 2.708 milhões de euros em igual período de 2014, beneficiando da venda de ativos de gás em Espanha no primeiro semestre, da venda de 50% nas centrais hídricas de Jari/Cachoeira-Caldeirão, no Brasil, e do novo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) em Portugal.

As provisões desceram 58% para nove milhões de euros e as amortizações e imparidades do exercício subiram 4% para 1.058 milhões de euros, tendo o EBIT (lucro antes de juros e impostos) aumentado 15% para 1.924 milhões de euros.

Já o resultado antes de impostos foi de 1.273 milhões de euros, 2% acima do apurado entre janeiro e setembro do ano passado.

No capítulo dos impostos destaca-se a contribuição extraordinária do setor energético que atingiu os 61 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2015, o no segundo ano de vigência.

Entre janeiro e setembro, os custos operacionais da EDP subiram 1% em termos homólogos, para 1.130 milhões de euros.

Neste capítulo, nota para o acréscimo do quadro de pessoal em 111 trabalhadores para um total de 12.019 funcionários, e para um aumento da capacidade instalada de 8,5% para 23.960 Megawatts (MW).

A dívida líquida cresceu 2% (279 milhões de euros) para 17.321 milhões de euros em comparação com final de 2014, com a aquisição de Pecém I a ser compensado pela venda dos ativos de gás em Espanha.

No comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), após o fecho do mercado, a elétrica liderada por António Mexia realça que a posição de liquidez financeira do grupo ascende a 5.100 milhões de euros, cobrindo as necessidades de refinanciamento da EDP até ao final de 2017.

Os títulos da EDP na bolsa de Lisboa fecharam hoje com ganhos 0,60% para os 3,357 euros.

Lusa

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela. 

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28