sicnot

Perfil

Economia

Lesados do BES protestam hoje em Lisboa em frente ao Novo Banco

A Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC) vai fazer hoje uma nova manifestação em Lisboa, frente à sede do Novo Banco, para exigir o reembolso do dinheiro que investiram em empresas do Grupo Espírito Santo (GES).

FERNANDO VELUDO/ LUSA (ARQUIVO)


Segundo a organização, este protesto - que se inicia pelas 11:30 na Avenida da Liberdade, uma das principais ruas de Lisboa - marca o início de "uma segunda ronda de protestos (...) contra o comportamento lastimável que o Novo Banco tem tido para com os seus clientes relativamente ao ressarcimento das suas poupanças investidas em papel comercial".

Os lesados dizem que a intenção de cumprir com o pagamento foi assumido em documentos oficiais quando, a propósito da criação do Novo Banco, foi dito que "o papel comercial emitido pela ESI [Espírito Santo International] e Rio Forte transitam para o Novo Banco, e este mantém a intenção de assegurar o reembolso, na maturidade, do capital investido pelos seus clientes não institucionais junto das redes comerciais do Grupo BES de então" e consideram "inaceitável" a forma como o Novo Banco tem lidado com o caso.

Criticam ainda que o Novo Banco tenha movido processos contra clientes lesados, considerando que esse ato tem "intenções meramente intimidatórias".

O advogado que representa a AIEPC interpôs no verão uma providência cautelar contra o Banco de Portugal e o Fundo de Resolução, na qual os clientes exigem que o banco central informe um eventual comprador do Novo Banco do montante de papel comercial devido aos cerca de 2.500 subscritores, que ronda os 530 milhões de euros, ou seja, que inclua esse montante como uma imparidade nas contas da instituição financeira.

Em setembro, terminou sem acordo o período de negociação com o potencial comprador do Novo Banco, esperando-se agora a abertura de um novo processo de venda nos próximos meses.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • "Temos que cuidar dos feridos, temos que recuperar os territórios"
    1:02

    País

    O primeiro-ministro disse hoje que, depois das chamas apagadas, agora é o tempo de passar das palavras aos atos, de decidir e executar. Após uma visita a feridos dos incêndios, em Coimbra, António Costa confirmou que o Conselho de Ministros do próximo sábado vai transformar em medidas as recomendações feitas pela comissão técnica independente.

  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06