sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas volta a rever em baixa défice para 2015

A Comissão Europeia voltou a rever em baixa o défice para 2015. O valor, que é agora de 3%, continua acima da estimativa do Governo e está mesmo em cima da linha vermelha do défice excessivo. Bruxelas alerta ainda para a possibilidade de um longo período de incerteza política poder prejudicar a confiança dos consumidores e empresas.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Francois Lenoir / Reuters

Nas previsões económicas de outono divulgadas hoje, Bruxelas diz que a economia portuguesa continua a consolidar-se, graças principalmente à procura interna. A Comissão Europeia reviu ligeiramente em alta o crescimento económico para este ano e para o próximo, mas alerta para o impacto negativo que pode vir a ter a incerteza política.

Quanto ao défice, Bruxelas continua a não acreditar na previsão do Governo de 2,7% do Produto Interno Bruto para 2015 e fala agora em 3%. O valor até baixou em relação às estimativas de Primavera, mas ao mesmo tempo que baixou o défice para este ano, a Comissão subiu a previsão para 2016, de 2,8 para 2,9% do PIB. Bruxelas está também mais pessimista em relação ao défice estrutural e à dívida portuguesa que foi revista em alta para este ano e para 2016.

Já no que toca à taxa de desemprego, há algum otimismo. As previsões divulgadas hoje falam em descida para 12% este ano e 11% no próximo.

No documento, é ainda recordado que Portugal não entregou qualquer esboço de orçamento e que, por isso, os cálculos assumem que não haverá alterações de políticas.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.