sicnot

Perfil

Economia

Putin, Merkel, Obama, Papa e Xi Jinping são os mais poderosos do mundo

A revista norte-americana Forbes elegeu Vladimir Putin como a personalidade mais poderosa do mundo, seguido de Angela Merkel, Barack Obama, o Papa e o Presidente da China.

© RIA Novosti / Reuters

O Presidente Russo recebe a distinção pelo terceiro ano seguido. A revista diz que Putin continua a provar que é dos poucos homens no mundo suficientemente poderoso para fazer o que quer e sair ileso.

Em segundo lugar vem Angela Merkel. A chanceler alemã subiu três lugares e foi considerada pela revista como a "espinha dorsal" da União Europeia.

Segue-se Barack Obama, o primeiro Presidente norte-americano em exercício a ficar de fora das duas primeiras posições do ranking. A publicação considera que a influência do chefe de Estado está a diminuir à medida que Obama entra no último ano da presidência.

O Papa Francisco surge na quarta posição, a mesma que ocupou no ano passado.

O Top 5 fica completo com o Presidente chinês XI Jinping, que a revista norte-americana destaca como o líder mais poderoso da China desde Mao tse-tung.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38