sicnot

Perfil

Economia

Putin, Merkel, Obama, Papa e Xi Jinping são os mais poderosos do mundo

A revista norte-americana Forbes elegeu Vladimir Putin como a personalidade mais poderosa do mundo, seguido de Angela Merkel, Barack Obama, o Papa e o Presidente da China.

© RIA Novosti / Reuters

O Presidente Russo recebe a distinção pelo terceiro ano seguido. A revista diz que Putin continua a provar que é dos poucos homens no mundo suficientemente poderoso para fazer o que quer e sair ileso.

Em segundo lugar vem Angela Merkel. A chanceler alemã subiu três lugares e foi considerada pela revista como a "espinha dorsal" da União Europeia.

Segue-se Barack Obama, o primeiro Presidente norte-americano em exercício a ficar de fora das duas primeiras posições do ranking. A publicação considera que a influência do chefe de Estado está a diminuir à medida que Obama entra no último ano da presidência.

O Papa Francisco surge na quarta posição, a mesma que ocupou no ano passado.

O Top 5 fica completo com o Presidente chinês XI Jinping, que a revista norte-americana destaca como o líder mais poderoso da China desde Mao tse-tung.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.