sicnot

Perfil

Economia

Portugal cresce 1,7% em 2015 mas ritmo abranda nos anos seguintes

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico melhorou ligeiramente as previsões económicas para Portugal, antecipando um crescimento de 1,7% em 2015, alertando, no entanto, que nos anos seguintes o ritmo de crescimento vai abrandar.

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco/ AP

No "Economic Outlook", hoje divulgado, a OCDE estima que Portugal cresça 1,7% este ano (acima dos 1,5% projetados em junho) e espera que "o crescimento se enfraqueça a partir desse pico de 2015".

Para 2016, a previsão, do relatório preparado pelo departamento de Estudos Económicos Nacionais liderado pelo ex-ministro Álvaro Santos Pereira, aponta para um crescimento de 1,6% (contra os 1,8% anteriormente previstos) e, para 2017, aponta os 1,5%.

A OCDE espera que o ritmo de crescimento de Portugal abrande ao longo do horizonte da projeção, considerando que "é provável que o pico atual do investimento perca força assim que os 'stocks' de capital forem recuperados após o declínio de quase 35% entre 2007 e 2014".

Já o Governo espera que Portugal cresça 1,6% este ano e que acelere o ritmo de crescimento para os 2% em 2016 e para os 2,4% nos três anos seguintes.

Quanto ao desemprego, a instituição liderada por Angel Gurría considera que "o ritmo da recuperação vai permitir mais reduções da taxa de desemprego, ainda que apenas pequenas [reduções]", esperando a OCDE que a taxa de desemprego fique nos 12,3% este ano, caindo para os 11,3% no próximo e para os 10,6% em 2017.

Apesar de afirmar que a economia portuguesa está a crescer "mais rápido do que a média de crescimento registada desde que Portugal entrou na zona euro", a OCDE considera que este crescimento de deve ao reforço da procura interna e externa.

No entanto, alerta que "o elevado nível de desemprego jovem e de longa duração continua a limitar o potencial de crescimento" da economia.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.