sicnot

Perfil

Economia

Portugal cresce 1,7% em 2015 mas ritmo abranda nos anos seguintes

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico melhorou ligeiramente as previsões económicas para Portugal, antecipando um crescimento de 1,7% em 2015, alertando, no entanto, que nos anos seguintes o ritmo de crescimento vai abrandar.

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco/ AP

No "Economic Outlook", hoje divulgado, a OCDE estima que Portugal cresça 1,7% este ano (acima dos 1,5% projetados em junho) e espera que "o crescimento se enfraqueça a partir desse pico de 2015".

Para 2016, a previsão, do relatório preparado pelo departamento de Estudos Económicos Nacionais liderado pelo ex-ministro Álvaro Santos Pereira, aponta para um crescimento de 1,6% (contra os 1,8% anteriormente previstos) e, para 2017, aponta os 1,5%.

A OCDE espera que o ritmo de crescimento de Portugal abrande ao longo do horizonte da projeção, considerando que "é provável que o pico atual do investimento perca força assim que os 'stocks' de capital forem recuperados após o declínio de quase 35% entre 2007 e 2014".

Já o Governo espera que Portugal cresça 1,6% este ano e que acelere o ritmo de crescimento para os 2% em 2016 e para os 2,4% nos três anos seguintes.

Quanto ao desemprego, a instituição liderada por Angel Gurría considera que "o ritmo da recuperação vai permitir mais reduções da taxa de desemprego, ainda que apenas pequenas [reduções]", esperando a OCDE que a taxa de desemprego fique nos 12,3% este ano, caindo para os 11,3% no próximo e para os 10,6% em 2017.

Apesar de afirmar que a economia portuguesa está a crescer "mais rápido do que a média de crescimento registada desde que Portugal entrou na zona euro", a OCDE considera que este crescimento de deve ao reforço da procura interna e externa.

No entanto, alerta que "o elevado nível de desemprego jovem e de longa duração continua a limitar o potencial de crescimento" da economia.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Israel volta a bombardear posições do Hamas em Gaza

    Mundo

    O exército israelita voltou a bombardear esta segunda-feira posições do movimento Hamas na Faixa de Gaza em resposta ao lançamento de projéteis em direção a Israel pelas milícias palestinianas, informou um comunicado militar.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.