sicnot

Perfil

Economia

Empresas chinesas constroem mais de 4.500 casas sociais em Angola

Três empresas chinesas garantiram empreitadas do Estado angolano no valor de quase 280 milhões de euros, para construir mais de 4.500 casas em cinco províncias, segundo despachos presidenciais a que a Lusa teve hoje acesso.

Um dos projetos chineses de construção de habitações, em Kilamba, arredores de Luanda

Um dos projetos chineses de construção de habitações, em Kilamba, arredores de Luanda

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

Os documentos justificam estes investimentos com a implementação do programa de alargamento da rede de equipamentos sociais e infraestruturas, prevendo o desalojamento de centenas de famílias e, desta forma, a construção de casas sociais em alternativa.

Assinados pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, estes despachos, autorizando a celebração dos respetivos contratos pelo Ministério da Construção, esclarecem ainda que as empreitadas terão "enquadramento financeiro nas Linhas de Crédito da China" a Angola.

O novo empréstimo concedido pelo Governo da China a Angola, que se segue a linhas de apoio anteriores, prevê mais 6.000 milhões de dólares de financiamento a obras cuja execução estão programadas para 2016 e 2017, segundo informação anterior do Governo angolano.

O primeiro destes despachos prevê a construção de infraestruturas urbanas para 500 fogos habitacionais na província de Malange, e respetivos serviços de fiscalização, à empresa Guangxi Hydroelectric Construction Bureau, por 32,2 milhões de dólares (30 milhões de euros).

A mesma empresa garante contrato idêntico, para mais 500 fogos, na província do Bié (igualmente 30 milhões de euros), e outras 450 casas na província do Moxico, neste caso por 30 milhões de dólares (28 milhões de euros).

Já a China Road and Bridge Corporation, segundo mais dois despachos presidenciais, vai construir 450 casas na província do Cunene, por 30 milhões de dólares (28 milhões de euros), e mais 500 casas na província do Uíge, 32,2 milhões de dólares (30 milhões de euros).

Na província de Luanda, a China Machinery Engineering Corporation avança com três projetos distintos, o primeiro dos quais prevendo a construção de 550 fogos habitacionais e respetiva fiscalização da empreitada por 36 milhões de dólares (33,5 milhões de euros).

O segundo envolve a construção de 1.168 casas, igualmente em Luanda, por 59 milhões de dólares (55 milhões de euros).

Um terceiro projeto prevê mais 450 fogos na província capital, por 47,5 milhões de dólares (44,1 milhões de euros).

Entre construção e fiscalização destas seis empreitadas, incluídas no Programa de Investimento Público (PIP) e prevendo a construção total de 4.618 casas sociais, o negócio envolve cerca de 300 milhões de dólares (279 milhões de euros).

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.