sicnot

Perfil

Economia

PIB da Grécia contrai-se 0,5% no 3º trimestre face ao anterior e 0,4% face ao homólogo

O Produto Interno Bruto (PIB) da Grécia no terceiro trimestre registou uma contração de 0,5% face ao segundo trimestre e de 0,4% face ao período homólogo de 2014, indicou hoje a agência nacional de estatística grega, Elstat.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

REUTERS

Durante o terceiro trimestre, a Grécia foi ameaçada de ser expulsa da zona euro pelos parceiros e foi 'forçada' a impor um controlo de capitais, ainda em vigor.

Esta contração - uma primeira estimativa da Elstat - depois de dois trimestres de crescimento, era antecipada pelos analistas, apesar de o país ter tido uma época turística "muito boa" no último verão e da Comissão Europeia prever um regresso à recessão este ano e em 2016, depois de ter registado em 2014 um crescimento, de 0,7%.

A Elstat também reviu em baixa o crescimento verificado no segundo trimestre, para 0,4%, contra uma estimativa de 0,9%.

Em termos homólogos, o PIB da Grécia recuou 0,4% no terceiro trimestre deste ano.

Este dado é anunciado numa altura em que Atenas negoceia com os credores internacionais a adoção de uma primeira série de medidas de austeridade e de reformas para obter a transferência de dois mil milhões de euros e de um 'envelope' de 10 mil milhões de euros para salvar o sistema bancário grego.

A Grécia, cuja economia só emergiu em 2014 depois de seis anos de recessão, escapou à justa, em julho, à bancarrota e a uma saída da zona euro, quando o primeiro-ministro de esquerda radical, Alexis Tsipras, acabou por aceitar um novo plano de resgate financeiro da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

No entanto, face ao risco de um movimento de pânico bancário, Atenas viu-se obrigada a impor a 29 de junho um controlo de capitais, ainda em vigor, que secou uma economia já enfraquecida por seis anos de austeridade.

Na sequência dos acontecimentos, o primeiro-ministro também precipitou eleições legislativas para 20 de setembro, que acabaram por reconduzi-lo no cargo.

Segundo as últimas previsões de outono da Comissão Europeia, a Grécia, sobre-endividada e forçada à adoção de medidas de austeridade, consideradas recessivas por numerosos economistas, em troca da ajuda da UE e do FMI no valor de 86 mil milhões, só deverá crescer, designadamente, 2,7% em 2017.

Entretanto, a economia, segundo as mesmas previsões, deverá registar contrações de 1,4% em 2015 e de 1,3% em 2016.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.