sicnot

Perfil

Economia

Moody's diz que acordos do PS com esquerda tornam melhoria das finanças "improvável"

A analista da Moody's Kathrin Muehlbronner considerou hoje que as medidas políticas acordadas pelo PS com o Bloco de Esquerda, PCP e Os Verdes tornam "improvável" a melhoria das finanças públicas e penalizarão o 'rating' de Portugal.

Reuters

Reuters

REUTERS

"No nosso ponto de vista, uma melhoria material e sustentável das finanças públicas de Portugal precisa de medidas estruturais adicionais, particularmente para fazer face às elevadas despesas com as pensões e com os salários, mas isto aparenta ser improvável, dadas as medidas em sentido contrário nos acordos políticos", refere a analista num comentário hoje publicado.

A Moody's espera assim que o rácio da dívida pública se mantenha numa percentagem muito elevada do Produto Interno Bruto (PIB) e que desça apenas de forma gradual, o que significará "um grande constrangimento para a qualidade do crédito e o 'rating' da dívida soberana".

Ainda assim, a Moody's diz não esperar que o ritmo de consolidação orçamental diminua com um governo socialista ou que o défice derrape acima dos 3%, lembrando que António Costa enquanto presidente da Câmara de Lisboa "conseguiu melhorar significativamente as finanças da autarquia e reduzir a dívida".

A Moody's lembra também, a propósito, que Portugal ainda está sujeito ao procedimento de défice excessivo, bem como à monitorização pós-programa de ajuda externa.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.