sicnot

Perfil

Economia

Bancos continuam com "riscos significativos" dadas as taxas de juros baixas - BdP

Os bancos continuam a ter "desafios e riscos significativos", particularmente no atual enquadramento de "reduzidos níveis de taxas de juro nominais", pelo que devem estar preparados e devidamente provisionados, refere o Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Dado Ruvic / Reuters

Segundo o documento divulgado hoje, as instituições financeiras devem estar preparadas para o risco do país, que teria impacto no custo de financiamento da economia, e que para minimizar esse risco, os bancos devem emitir dívida de médio e longo prazo.

"Avolumam-se os riscos para a estabilidade financeira decorrentes de uma reversão desse comportamento" de 'search for yield'", ou, por outras palavras, os bancos devem procurar ativos com maiores remunerações devido ao ambiente de manutenção de taxas de juro muito baixas, indica o comunicado do Banco de Portugal (BdP).

É que, segundo o BdP, "um ambiente de baixas taxas de juro nominais pode favorecer a tomada excessiva de risco, a sobrevalorização dos ativos e a compressão da rendibilidade das instituições financeiras", pelo que, face a estes riscos, os bancos devem prosseguir a "reafectação do crédito".

Ou seja, o crédito deverá ser direcionado "a mutuários com maior qualidade creditícia, em detrimento de mutuários sem viabilidade económica", sendo "essencial" que, na avaliação de novos créditos, quer a particulares quer a empresas, sejam adotados critérios prudentes, privilegiando a capacidade de geração de rendimento futuro, inclusive em cenários diversos do atual", aconselha o Relatório.

Além disso, o supervisor financeiro alerta que a economia portuguesa "mantém-se particularmente sensível a desenvolvimentos nos mercados financeiros internacionais" e este fator "assume especial importância dado o ainda elevado endividamento" da economia no exterior.

Pelo que, o relatório aconselha a necessidade de continuar "os processos de consolidação orçamental e de desalavancagem de famílias e empresas", um fator "essencial para a estabilidade financeira de Portugal", principalmente devido a uma subida futura das taxas de juro "e ao decorrente aumento do serviço da dívida".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18