sicnot

Perfil

Economia

Italiana Eni sai definitivamente da Galp por 325 M€

A petrolífera italiana Eni anunciou hoje a sua saída em definitivo do capital da Galp Eenergia ao vender a sua última participação de 4 por cento por 325 milhões de euros (M€), a um preço de 9,81 euros por ação.

Em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, a Galp Energia informa que recebeu da Eni a informação de que "concluiu a venda de 33.124.670 ações ordinárias representativas de aproximadamente 4% do capital social da Galp Energia SGPS, S.A. e correspondentes à totalidade da participação da Eni no capital social da Galp".

Segundo os italianos, "a contrapartida total da venda ascendeu a aproximadamente 325 milhões de euros, a um preço de 9,810 euros por ação", correspondendo a um desconto de 2,5% em comparação com a cotação da Galp no fecho da sessão de quinta-feira.

Hoje, às 08:45, o título da petrolífera portuguesa estava a cair 5,16%, para 9,546 euros.

"O processo de 'accelerated bookbuilding' (venda acelerada) foi dirigido exclusivamente a investidores institucionais qualificados", lê-se no comunicado, sendo que a liquidação da oferta terá lugar no dia 24 de novembro de 2015, mediante entrega das ações e pagamento do preço à Eni.

O comunicado indica que, no seguimento da conclusão da venda, "a Eni deixará de deter qualquer participação no capital social da Galp", uma relação que nem sempre foi pacífica e que durou cerca de dez anos.

A totalidade da participação acionista de 33,34% inicialmente detida pela Eni na Galp foi, assim, alienada através de várias transações realizadas desde 2012, por um preço total de 3.283 milhões de euros.

Praticamente na empresa desde 2005, a italiana Eni, após várias duras negociações, acabou por assinar um acordo parassocial em que colocou a Amorim Energia como o acionista preponderante na Galp Energia.

O acordo parassocial entre Américo Amorim e a Eni estabelecia que ambas manteriam as suas participações inalteradas durante cinco anos, o que aconteceu.

Em 2012, a Amorim Energia, que detém atualmente 38,34% da Galp, e a Eni realizaram um outro acordo que implicava a saída faseada dos italianos da petrolífera portuguesa.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário ou ainda esta sexta-feira, em formato online.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.