sicnot

Perfil

Economia

Italiana Eni sai definitivamente da Galp por 325 M€

A petrolífera italiana Eni anunciou hoje a sua saída em definitivo do capital da Galp Eenergia ao vender a sua última participação de 4 por cento por 325 milhões de euros (M€), a um preço de 9,81 euros por ação.

Em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, a Galp Energia informa que recebeu da Eni a informação de que "concluiu a venda de 33.124.670 ações ordinárias representativas de aproximadamente 4% do capital social da Galp Energia SGPS, S.A. e correspondentes à totalidade da participação da Eni no capital social da Galp".

Segundo os italianos, "a contrapartida total da venda ascendeu a aproximadamente 325 milhões de euros, a um preço de 9,810 euros por ação", correspondendo a um desconto de 2,5% em comparação com a cotação da Galp no fecho da sessão de quinta-feira.

Hoje, às 08:45, o título da petrolífera portuguesa estava a cair 5,16%, para 9,546 euros.

"O processo de 'accelerated bookbuilding' (venda acelerada) foi dirigido exclusivamente a investidores institucionais qualificados", lê-se no comunicado, sendo que a liquidação da oferta terá lugar no dia 24 de novembro de 2015, mediante entrega das ações e pagamento do preço à Eni.

O comunicado indica que, no seguimento da conclusão da venda, "a Eni deixará de deter qualquer participação no capital social da Galp", uma relação que nem sempre foi pacífica e que durou cerca de dez anos.

A totalidade da participação acionista de 33,34% inicialmente detida pela Eni na Galp foi, assim, alienada através de várias transações realizadas desde 2012, por um preço total de 3.283 milhões de euros.

Praticamente na empresa desde 2005, a italiana Eni, após várias duras negociações, acabou por assinar um acordo parassocial em que colocou a Amorim Energia como o acionista preponderante na Galp Energia.

O acordo parassocial entre Américo Amorim e a Eni estabelecia que ambas manteriam as suas participações inalteradas durante cinco anos, o que aconteceu.

Em 2012, a Amorim Energia, que detém atualmente 38,34% da Galp, e a Eni realizaram um outro acordo que implicava a saída faseada dos italianos da petrolífera portuguesa.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.