sicnot

Perfil

Economia

Italiana Eni sai definitivamente da Galp por 325 M€

A petrolífera italiana Eni anunciou hoje a sua saída em definitivo do capital da Galp Eenergia ao vender a sua última participação de 4 por cento por 325 milhões de euros (M€), a um preço de 9,81 euros por ação.

Em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, a Galp Energia informa que recebeu da Eni a informação de que "concluiu a venda de 33.124.670 ações ordinárias representativas de aproximadamente 4% do capital social da Galp Energia SGPS, S.A. e correspondentes à totalidade da participação da Eni no capital social da Galp".

Segundo os italianos, "a contrapartida total da venda ascendeu a aproximadamente 325 milhões de euros, a um preço de 9,810 euros por ação", correspondendo a um desconto de 2,5% em comparação com a cotação da Galp no fecho da sessão de quinta-feira.

Hoje, às 08:45, o título da petrolífera portuguesa estava a cair 5,16%, para 9,546 euros.

"O processo de 'accelerated bookbuilding' (venda acelerada) foi dirigido exclusivamente a investidores institucionais qualificados", lê-se no comunicado, sendo que a liquidação da oferta terá lugar no dia 24 de novembro de 2015, mediante entrega das ações e pagamento do preço à Eni.

O comunicado indica que, no seguimento da conclusão da venda, "a Eni deixará de deter qualquer participação no capital social da Galp", uma relação que nem sempre foi pacífica e que durou cerca de dez anos.

A totalidade da participação acionista de 33,34% inicialmente detida pela Eni na Galp foi, assim, alienada através de várias transações realizadas desde 2012, por um preço total de 3.283 milhões de euros.

Praticamente na empresa desde 2005, a italiana Eni, após várias duras negociações, acabou por assinar um acordo parassocial em que colocou a Amorim Energia como o acionista preponderante na Galp Energia.

O acordo parassocial entre Américo Amorim e a Eni estabelecia que ambas manteriam as suas participações inalteradas durante cinco anos, o que aconteceu.

Em 2012, a Amorim Energia, que detém atualmente 38,34% da Galp, e a Eni realizaram um outro acordo que implicava a saída faseada dos italianos da petrolífera portuguesa.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.