sicnot

Perfil

Economia

INE divulga hoje evolução do PIB no 3.º trimestre

O INE divulga hoje o valor do PIB no terceiro trimestre e, a confirmar-se uma estagnação, a meta do anterior governo de um crescimento económico de 1,6% este ano pode estar comprometida, admitiram economistas contactados pela agência Lusa.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga hoje o segundo destaque das Contas Nacionais Trimestrais relativas ao terceiro trimestre do ano, depois de ter revelado, na estimativa rápida que divulgou a 13 de novembro, que a economia portuguesa apresentou uma variação nula no terceiro trimestre de 2015 face ao trimestre anterior e que cresceu 1,4% em relação ao mesmo trimestre de 2014.

Ora, perante estes valores, a economia portuguesa no conjunto do ano deverá crescer abaixo da meta inscrita no Orçamento do Estado de 2015, prevendo a maioria dos economistas contactados pela Lusa um crescimento de 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, inferior aos 1,6% estimados pelo anterior governo, liderado por Pedro Passos Coelho.

O anterior governo PSD/CDS-PP esperava que a economia portuguesa crescesse 1,6% este ano, uma projeção que foi incluída no Orçamento do Estado para 2015, de outubro de 2014, e que foi reiterada no Programa de Estabilidade, conhecido em abril passado.

A economista-chefe do BPI Paula Carvalho considera que "matematicamente ainda é possível" que o PIB aumente 1,6% no conjunto de 2015 face ao ano anterior, mas admite que agora "a probabilidade é menor".

"A atividade teria de crescer à volta dos 0,8% em cadeia" no quarto trimestre para que a meta de crescimento do anterior governo fosse cumprida, segundo a analista, que considera que esta é uma previsão "pouco plausível".

Alertando que "o próprio valor do terceiro trimestre pode ser revisto em ligeira alta", Paula Carvalho afirma que, "com os dados conhecidos atualmente, a probabilidade de [o crescimento económico] ser de 1,5% é maior".

Já António Ascensão Costa, professor do Grupo de Análise Económica do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), afirma que a meta da coligação PSD/CDS-PP é "muito pouco provável" e que, depois da estagnação económica no terceiro trimestre, "é mais provável que o crescimento económico em 2015 fique nos 1,5%".

O professor universitário afirmou que, para que a economia crescesse ao ritmo estimado pelo anterior governo no conjunto do ano, teria de existir um crescimento em cadeia de 0,5% e 0,6%.

Também o presidente da Informação de Mercados Financeiros (IMF), Filipe Garcia, e o banco BBVA esperam que a economia cresça abaixo dos 1,6% previstos pelo anterior executivo, aumentando 1,5% este ano.

Por sua vez, o departamento de Estudos do Montepio continua a admitir um crescimento económico de 1,6% para a totalidade de 2015, explicando que será necessário uma melhoria entre 0,5% e 0,6% no quarto trimestre face ao terceiro.

O economista-chefe do Montepio considera que um valor em cadeia de 0,5% é "perfeitamente possível", admitindo, no entanto, que o "principal risco descendente se prende com a indefinição política".

Também o professor Jorge Borges de Assunção, do Núcleo de Estudos de Conjuntura Económica Portuguesa (NECEP), da Universidade Católica, disse à Lusa que "será necessário que o crescimento no último trimestre seja na ordem dos 1,8% (embora 1,6% possa chegar) e de 0,8% em cadeia (embora 0,6% possa chegar)" para que seja alcançada a meta definida pelo governo de Pedro Passos Coelho.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Incêndio num estádio em Xangai destrói parte da bancada

    Mundo

    O Estádio Hongkou da equipa chinesa Shanghai Shenhua foi atingido esta terça-feira por um incêndio que acabou por danificar parte da bancada e algumas salas no interior da infraestrutura. Para o local, foi enviada uma equipa de bombeiros que conseguiu controlar as chamas.