sicnot

Perfil

Economia

Gastos com pensões em Portugal vão continuar a subir e atingir 14,6% do PIB em 2020

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima que os gastos com as pensões em Portugal, que mais do que duplicaram nas duas últimas décadas, continuem a aumentar, atingindo os 14,6% do PIB em 2020.

Nos últimos dez anos, a esperança de vida à nascença da população residente aumentou cerca de três anos, mais 3,06 anos para os homens e 2,47 anos para as mulheres face aos valores estimados para o período 2002-2004 (74,10 e 80,56 anos para homens e mulheres, respetivamente). (Arquivo)

Nos últimos dez anos, a esperança de vida à nascença da população residente aumentou cerca de três anos, mais 3,06 anos para os homens e 2,47 anos para as mulheres face aos valores estimados para o período 2002-2004 (74,10 e 80,56 anos para homens e mulheres, respetivamente). (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com o relatório Panorama das Pensões 2015, a despesa do Estado em pensões, entre 1990 e 2011, passou de 4,9% do Produto Interno Bruto (PIB) -- abaixo da média da OCDE de 6,2% - para os 13% do PIB, bem acima da média de 7,9% da OCDE.

As projeções da OCDE apontam para que, em Portugal, o peso das pensões no PIB deverá continuar a subir e atingir o pico de 15% do PIB em 2030, permanecendo acima dos 13% até 2060, com o país a continuar a gastar mais com as pensões, face à média dos países da organização.

Para a média dos países da OCDE, o relatório estima que os gastos com pensões passem dos atuais 9% do PIB para 10,1% do PIB em 2050 e 11,3% em 2060.

Numa análise aos países que incluem esquemas de pensões mínimas (para pensionistas que não cumprem os critérios necessários para receberem uma pensão de reforma normal), de acordo com o relatório anual da organização, em Portugal estas são recebidas por 60% da população com mais de 65 anos, o valor mais elevado dos países analisados.

O valor português compara com os 47% da Finlândia, 37% de França ou os cerca de 30% de Itália, Luxemburgo ou Espanha.

No relatório, no qual a OCDE sinaliza ainda que é necessário que os países ponham o foco na sustentabilidade social dos seus sistemas de pensões, a organização refere que em 2015 a idade média da reforma vai continuar a subir.

De acordo com os dados da organização, em 2014, a idade média para entrada na reforma situou-se nos 64 anos, no caso dos homens, e nos 63,1 anos no caso das mulheres. No futuro, assumindo a entrada no mundo laboral aos 20 anos em 2014, a idade média irá subir para os 65,5 anos no caso dos homens e para os 65,4 anos nas mulheres.

Em Portugal, a idade de reforma está atualmente nos 66 anos.

  • Carro do suspeito de rapto de Maelys fotografado por radar a alta velocidade
    1:16

    Mundo

    Praticamente um mês depois do desaparecimento de Maelys de Araújo, as autoridades francesas continuam a fazer buscas para tentar encontrar a menina lusodescendetnte de 9 anos. Entretanto, um jornal francês revelou que o carro do homem suspeito de rapto terá sido fotografado, por um radar, a alta velocidade na noite do desparecimento.

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.

  • Icebergue com 5.800 quilómetros quadrados está a deslocar-se na Antártida

    Mundo

    Um icebergue gigante está a deslocar-se na Antártida em direção ao mar de Weddell segundo as imagens de satélite reveladas. Trata-se do A68, um icebergue quatro vezes maior que a cidade de Londres. Com cerca de 5.800 quilómetros quadrados e triliões de toneladas, A68 é um dos maiores icebergues conhecidos.