sicnot

Perfil

Economia

Gastos com pensões em Portugal vão continuar a subir e atingir 14,6% do PIB em 2020

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima que os gastos com as pensões em Portugal, que mais do que duplicaram nas duas últimas décadas, continuem a aumentar, atingindo os 14,6% do PIB em 2020.

Nos últimos dez anos, a esperança de vida à nascença da população residente aumentou cerca de três anos, mais 3,06 anos para os homens e 2,47 anos para as mulheres face aos valores estimados para o período 2002-2004 (74,10 e 80,56 anos para homens e mulheres, respetivamente). (Arquivo)

Nos últimos dez anos, a esperança de vida à nascença da população residente aumentou cerca de três anos, mais 3,06 anos para os homens e 2,47 anos para as mulheres face aos valores estimados para o período 2002-2004 (74,10 e 80,56 anos para homens e mulheres, respetivamente). (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com o relatório Panorama das Pensões 2015, a despesa do Estado em pensões, entre 1990 e 2011, passou de 4,9% do Produto Interno Bruto (PIB) -- abaixo da média da OCDE de 6,2% - para os 13% do PIB, bem acima da média de 7,9% da OCDE.

As projeções da OCDE apontam para que, em Portugal, o peso das pensões no PIB deverá continuar a subir e atingir o pico de 15% do PIB em 2030, permanecendo acima dos 13% até 2060, com o país a continuar a gastar mais com as pensões, face à média dos países da organização.

Para a média dos países da OCDE, o relatório estima que os gastos com pensões passem dos atuais 9% do PIB para 10,1% do PIB em 2050 e 11,3% em 2060.

Numa análise aos países que incluem esquemas de pensões mínimas (para pensionistas que não cumprem os critérios necessários para receberem uma pensão de reforma normal), de acordo com o relatório anual da organização, em Portugal estas são recebidas por 60% da população com mais de 65 anos, o valor mais elevado dos países analisados.

O valor português compara com os 47% da Finlândia, 37% de França ou os cerca de 30% de Itália, Luxemburgo ou Espanha.

No relatório, no qual a OCDE sinaliza ainda que é necessário que os países ponham o foco na sustentabilidade social dos seus sistemas de pensões, a organização refere que em 2015 a idade média da reforma vai continuar a subir.

De acordo com os dados da organização, em 2014, a idade média para entrada na reforma situou-se nos 64 anos, no caso dos homens, e nos 63,1 anos no caso das mulheres. No futuro, assumindo a entrada no mundo laboral aos 20 anos em 2014, a idade média irá subir para os 65,5 anos no caso dos homens e para os 65,4 anos nas mulheres.

Em Portugal, a idade de reforma está atualmente nos 66 anos.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11