sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas apoia setor das pescas e aquacultura em Portugal com 506 milhões de euros

A Comissão Europeia adotou hoje um pacote de investimento de 506 milhões de euros para o setor das pescas em Portugal, sendo a maior 'fatia', de 111,2 milhões, destinada à promoção e valorização de produtos.

(Arquivo)

(Arquivo)

A quinta prioridade definida no programa operacional de pescas português para 2014-2020 recebe 23,8% (11,2 milhões de euros) do envelope disponibilizado pelo Fundo Europeu para os Assuntos Marítimos e Pescas (FEAMP), e prevê, nomeadamente, o reforço do papel das organizações de produtores.

Neste âmbito, Bruxelas sublinha que as verbas destinadas aos Açores e Madeira são quase o dobro das disponíveis no período 2007-2013.

A segunda maior parcela, de 103,6 milhões de euros (26,4% do total) destina-se a promover o equilíbrio entre as atividades de pesca e a sustentabilidade e proteção do ambiente, apostando na inovação, poupança de energia, na adaptação da frota, reduzindo o consumo de energia, e investimentos em infraestruturas portuárias, para responder à obrigatoriedade de desembarque de todo o pescado.

Para o setor da aquacultura -- a segunda prioridade do programa operacional português - está prevista uma verba de 59 milhões (15% do total) para impulsionar o setor.

Globalmente, os fundos irão apoiar investimentos nas indústrias piscatórias, de aquacultura e de processamento que estimulem a competitividade e a sustentabilidade.

"O investimento sob este programa irá para os projetos portugueses de pescas, aquacultura e marítimos que são, ao mesmo tempo, sustentáveis para o ambiente e viáveis para a economia", disse o comissário europeu para o setor, Karmenu Vella.

"Estou convicto de que o pacote adotado hoje vai contribuir para que os pescadores e piscicultores portugueses enfrentem o futuro com confiança e para que as comunidades litorais e piscatórias portuguesas prosperem", acrescentou.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18