sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores do Metro de Lisboa em greve parcial durante seis dias consecutivos

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa entregaram hoje um novo pré-aviso de greve parcial para os dias 12, 13 e 14 de dezembro, protestando contra alterações de organização do trabalho dos maquinistas, disse hoje à Lusa fonte sindical.

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco / AP

Segundo a dirigente da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), Anabela Carvalheira, estes três dias de protesto têm o mesmo propósito do que a greve já anunciada para os dias 09, 10 e 11 de dezembro, pelo que haverá no total seis dias de paralisação a partir da próxima semana.

A circulação do Metro de Lisboa vai estar com perturbações ao longo de todo o período de funcionamento -- das 06:30 às 01:00 --, uma vez que a paralisação se reflete nas "três primeiras horas de cada primeiro período de serviço de cada maquinista", disse a dirigente, acrescentando que ainda não estão definidos os serviços mínimos para estas greves.

"É uma luta apenas dos maquinistas e tem a ver com questões específicas da alteração de organização do trabalho", explicou a sindicalista, dando como exemplo "a marcação de férias, que é um direito e que querem considerar um mérito".

Anabela Carvalheira afirmou ainda que o Metropolitano de Lisboa tem falta de maquinistas e explicou que "a empresa quer obrigar estes maquinistas a fazer trabalho de mais do que um trabalhador".

"Isto não é possível, além de que esta situação pode potenciar a falta de segurança no Metro", alertou.

De acordo com a sindicalista, os trabalhadores do Metropolitano pretendem que "sejam suspensas as alterações [de organização do trabalho dos maquinistas] e que se encontre uma solução, desde logo a contratação de mais maquinistas".

A convocação destes seis dias de greve foi decidida no mesmo dia em plenário de trabalhadores, porém resolveu-se "entregar um pré-aviso de cada vez", explicou Anabela Carvalheira.

Em relação ao contexto político da marcação das greves, a dirigente da Fectrans revelou que foram decididas antes da entrada em funções do atual Governo.

"Acreditamos que a entrada deste Governo vai ser diferente e que a solução vai ser encontrada", considerou Anabela Carvalheira, adiantando que têm já agendada uma reunião com o secretário de Estado dos Transportes, na segunda-feira, às 10:00.

Questionada sobre se há possibilidade de desconvocar as greves tendo em conta o resultado da reunião com a tutela, a sindicalista afirmou que "até à altura do início da greve há sempre hipótese de desconvocar" a paralisação.

Estas greves foram convocadas por quatro estruturas representativas dos trabalhadores: FECTRANS, Sindicato dos Trabalhadores da Tração do Metropolitano (STTM), Sindicato da Manutenção do Metropolitano (SINDEM) e Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA).

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.