sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores do Metro de Lisboa em greve parcial durante seis dias consecutivos

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa entregaram hoje um novo pré-aviso de greve parcial para os dias 12, 13 e 14 de dezembro, protestando contra alterações de organização do trabalho dos maquinistas, disse hoje à Lusa fonte sindical.

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco / AP

Segundo a dirigente da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), Anabela Carvalheira, estes três dias de protesto têm o mesmo propósito do que a greve já anunciada para os dias 09, 10 e 11 de dezembro, pelo que haverá no total seis dias de paralisação a partir da próxima semana.

A circulação do Metro de Lisboa vai estar com perturbações ao longo de todo o período de funcionamento -- das 06:30 às 01:00 --, uma vez que a paralisação se reflete nas "três primeiras horas de cada primeiro período de serviço de cada maquinista", disse a dirigente, acrescentando que ainda não estão definidos os serviços mínimos para estas greves.

"É uma luta apenas dos maquinistas e tem a ver com questões específicas da alteração de organização do trabalho", explicou a sindicalista, dando como exemplo "a marcação de férias, que é um direito e que querem considerar um mérito".

Anabela Carvalheira afirmou ainda que o Metropolitano de Lisboa tem falta de maquinistas e explicou que "a empresa quer obrigar estes maquinistas a fazer trabalho de mais do que um trabalhador".

"Isto não é possível, além de que esta situação pode potenciar a falta de segurança no Metro", alertou.

De acordo com a sindicalista, os trabalhadores do Metropolitano pretendem que "sejam suspensas as alterações [de organização do trabalho dos maquinistas] e que se encontre uma solução, desde logo a contratação de mais maquinistas".

A convocação destes seis dias de greve foi decidida no mesmo dia em plenário de trabalhadores, porém resolveu-se "entregar um pré-aviso de cada vez", explicou Anabela Carvalheira.

Em relação ao contexto político da marcação das greves, a dirigente da Fectrans revelou que foram decididas antes da entrada em funções do atual Governo.

"Acreditamos que a entrada deste Governo vai ser diferente e que a solução vai ser encontrada", considerou Anabela Carvalheira, adiantando que têm já agendada uma reunião com o secretário de Estado dos Transportes, na segunda-feira, às 10:00.

Questionada sobre se há possibilidade de desconvocar as greves tendo em conta o resultado da reunião com a tutela, a sindicalista afirmou que "até à altura do início da greve há sempre hipótese de desconvocar" a paralisação.

Estas greves foram convocadas por quatro estruturas representativas dos trabalhadores: FECTRANS, Sindicato dos Trabalhadores da Tração do Metropolitano (STTM), Sindicato da Manutenção do Metropolitano (SINDEM) e Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA).

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.