sicnot

Perfil

Economia

Angus Deaton, um Nobel da Economia contra a austeridade

O Prémio Nobel da Economia de 2015, Angus Deaton, que vai receber na quinta-feira o galardão, afirmou que não é a favor da austeridade para gerir crises económicas.

Prémio Nobel da Economia 2015, Angus Deaton (Reuters)

Prémio Nobel da Economia 2015, Angus Deaton (Reuters)

© TT News Agency / Reuters

Deaton, que falava em entrevista à agência Efe, referiu que a crise nos anos 30 do século passado mostrou que "não é essa a forma de abordar estas questões".

"Haverá sempre economistas que pensam que a austeridade é uma boa ideia, mas creio que a maioria não pensa assim, gostaríamos que houvesse mais gastos", afirmou.

O economista, distinguido com o Nobel pela sua "análise sobre o consumo, a pobreza e o bem-estar" nasceu na Escócia há 69 anos e trabalha nos Estados Unidos, na Universidade de Princeton, na área do desenvolvimento económico.

Numa semana em que a cimeira do clima em Paris entra na fase final, o Nobel afirmou-se convencido de que "a economia pode respeitar o meio ambiente".

As soluções para conseguir esse objetivo passam "por uma maior inovação, não tentando parar o crescimento económico".

"Necessitamos de novas formas para fazer as coisas, novas técnicas que não impliquem a queima de combustíveis fósseis e seria bom ver mais esforços canalizados para a inovação", defendeu.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.