sicnot

Perfil

Economia

Comissão de Trabalhadores acusa Unicer de "terrorismo social"

A Comissão de Trabalhadores da Unicer acusou hoje a empresa de "terrorismo social" no final de um plenário na fábrica de Leça do Balio, Matosinhos, onde foi aprovada a greve de dia 16 anunciada pelos sindicatos.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"Neste plenário saiu uma ratificação das formas de luta já anteriormente decididas pelos sindicatos, nomeadamente a greve para dia 16 de dezembro", afirmou à Lusa o coordenador da Comissão de Trabalhadores (CT), segundo o qual estiveram na reunião marcada pela comissão intersindical cerca de 100 funcionários que aprovaram a medida "por maioria".

Eduardo Andrade destacou que para além dos despedimentos anunciados com o encerramento da unidade de Santarém, estão em causa as "pressões" de que alguns trabalhadores dizem ser alvo por "não aceitarem a rescisão do vínculo laboral que têm com a Unicer".

"Costumamos chamar a isto terrorismo social. É ir fazendo pressão sobre as pessoas de forma a que elas próprias acabem por desistir da situação e acabem por aceitar tudo o que a empresa lhes propõe", acusou.

Na passada sexta-feira, sindicatos e comissão de trabalhadores da Unicer anunciaram ter convocado nova greve, desta vez de 24 horas, e marcaram uma concentração frente à sede da empresa, em Leça do Balio, para o próximo dia 16.

Em causa está a o encerramento da unidade de Santarém e a dispensa de um total de 140 trabalhadores da empresa, 70 de Santarém e 70 afetos à estrutura central e de apoio.

"Percebemos que não está em causa a viabilidade da empresa mas sim uma estratégia de agilização económica de aumentar os lucros da operação e uma estratégia comercial", assinalou hoje Eduardo Andrade.

O responsável da CT lamentou ainda que a Comissão Executiva tenha desmarcado a reunião agendada para a passada segunda-feira onde iriam apresentar "propostas de agilização de setores e de poupança económica".

"Queríamos apresentar isto à Comissão Executiva e a pretexto de a Comissão Intersindical ter marcado um plenário para hoje, cancelou a reunião. Isso no nosso entender não faz sentido nenhum porque a CT é um organismo autónomo e independente", criticou.

O representante dos trabalhadores disse ainda já terem sido denunciadas à Autoridade para as Condições de Trabalho diversas situações que consideram irregulares, desde logo a contratação de estagiários por ordenados inferiores às pessoas dispensadas.

"Temos ainda trabalhadores da área comercial que quando foram consultados para a proposta de rescisão lhes foi pedido que deixassem ficar o seu computador de trabalho, que é a principal ferramenta de trabalho que possuem. Alertamos que seria uma ilegalidade", disse.

A Lusa tentou contactar a Unicer mas tal não foi possível até ao momento.

A empresa tem declarado que mantém uma postura de diálogo com os trabalhadores as organizações que os representam e o seu empenho em "minimizar o impacto das medidas anunciadas" junto dos 140 trabalhadores afetados no processo.

Lusa

  • Carro do suspeito de rapto de Maelys fotografado por radar a alta velocidade
    1:16

    Mundo

    Praticamente um mês depois do desaparecimento de Maelys de Araújo, as autoridades francesas continuam a fazer buscas para tentar encontrar a menina lusodescendetnte de 9 anos. Entretanto, um jornal francês revelou que o carro do homem suspeito de rapto terá sido fotografado, por um radar, a alta velocidade na noite do desparecimento.

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.

  • Icebergue com 5.800 quilómetros quadrados está a deslocar-se na Antártida

    Mundo

    Um icebergue gigante está a deslocar-se na Antártida em direção ao mar de Weddell segundo as imagens de satélite reveladas. Trata-se do A68, um icebergue quatro vezes maior que a cidade de Londres. Com cerca de 5.800 quilómetros quadrados e triliões de toneladas, A68 é um dos maiores icebergues conhecidos.