sicnot

Perfil

Economia

Turismo de Portugal cancela registo da Netviagens após insolvência

O Turismo de Portugal procedeu ao cancelamento do registo da Netviagens - Agência de Viagens e Turismo, depois desta ter sido declarada insolvente pelo tribunal, disse hoje à Lusa fonte oficial daquela entidade.

O Tribunal da Comarca de Lisboa decretou a 25 de novembro passado a insolvência da primeira agência de viagens "online" portuguesa, a Netviagens, que foi requerida pelo fornecedor Soliférias e publicada no portal judicial Citius.

O Jornal de Negócios tinha noticiado hoje que a Netviagens - Agência de Viagens e Turismo, S.A. tinha falido, encontrando-se o endereço virtual indisponível e os telefones de contacto inoperáveis.

Questionada sobre a situação, fonte oficial do Turismo de Portugal respondeu à agência Lusa que, "até à presente data, a informação que detinha em sua posse é de que a situação" da Netviagens se encontrava registada no RNVAT - Registo Nacional das Agências de Viagens e Turismo e "cumpria os requisitos para o exercício da atividade, tendo efetuado a contribuição devida para o Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGTV) e dispondo de um seguro de responsabilidade civil válido e em vigor até 21 de fevereiro de 2016".

No entanto, "mediante a consulta ao portal Citius, é possível que foi declarada a insolvência da referida empresa, em 25 de novembro último", adiantou a mesma fonte.

"Assim, em cumprimento da legislação aplicável (...), o Turismo de Portugal procedeu ao cancelamento do registo e notificou o administrador de insolvência de tal facto", concluiu fonte oficial.

Contactada pela agência Lusa, a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo afirmou que, "formalmente, não tem confirmação da falência da Netviagens", mas adiantou ter recebido dez queixas relativas ao encerramento da empresa.

A Lusa contactou também a Deco - Associação de defesa do consumidor, que diz ter recebido seis queixas de clientes relativas ao fecho da Netviagens.

A Netviagens foi fundada em outubro de 2000, pertenceu ao grupo Cofina até 2003, altura em que foi vendida ao Grupo Espírito Santo, que ficou com a agência até 2013.

Em janeiro de 2014, a Netviagens foi vendida ao ClubeFashion, liderado por Gonçalo Saudade e Silva, e que também "estará em dificuldades".

A Netviagens e o ClubeFashion pertencem ao grupo Discoverability, de Gonçalo Saudade e Silva.

De acordo com o Jornal de Negócios de hoje, a linha de apoio ao cliente do Clube Fashion (clube de moda lançado em 2006) deixou de funcionar e o 'loungue' de atendimento presencial, que dividia com a Netviagens, em Lisboa, junto ao Mercado da Ribeira, foi encerrado.

Lusa

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Casos de cancro nos pulmões diminuem
    3:08

    País

    O mapa do cancro em Portugal está a mudar, pela primeira vez os casos de cancro do cólon ultrapassaram os do pulmão. A proibição de fumar em locais públicos tem levado à diminuição dos casos de tumores pulmonares.

  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28