sicnot

Perfil

Economia

Governo dos Açores admite estarem criadas condições para evitar despedimentos nas Lajes

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, disse hoje acreditar estarem criadas condições para evitar despedimentos na base das Lajes, onde está em curso a redução da presença norte-americana.

"Julgo estarem criadas as condições para que, continuando o processo como tem vindo até aqui, possamos chegar a uma situação em que não há necessidade de despedimentos", afirmou Vasco Cordeiro referindo-se aos trabalhadores portugueses na base e ressalvando que este processo ainda está a ser trabalhado.

Vasco Cordeiro falava após ter recebido em audiência, em Angra do Heroísmo, na Terceira, ilha onde se localiza a base das Lajes, o diretor-geral do Departamento de Estado dos Estados Unidos para os Assuntos Europeus e da Euroásia, Conrad Tribble, e o embaixador dos Estados Unidos da América em Lisboa, Robert Sherman, que vão participar na sexta-feira na reunião da comissão bilateral permanente Portugal-Estados Unidos da América (EUA).

O chefe do executivo açoriano referiu ainda o "longo caminho" já feito noutras matérias, como as infraestruturas, a atenção permanente às questões ambientais e a "cooperação concreta" com a região.

Vasco Cordeiro adiantou que um dos assuntos que está presente no relacionamento Portugal-EUA se prende com os possíveis usos futuros da base das Lajes, mas salientou que essa matéria não está no âmbito desta comissão bilateral.

"Está a ser tratado ao nível do Departamento da Defesa, do Congresso [norte-americanos]", declarou, convicto de que a reunião de sexta-feira "tratará de continuar a consolidar este caminho construtivo, que começou por produzir resultados desde logo para os trabalhadores portugueses na base das Lajes", embora ainda não concluído.

O governante realçou ainda que não deixa de ser significativo o facto de a reunião da comissão bilateral permanente ter lugar no arquipélago, considerando que demonstra "o papel verdadeiramente central que os Açores assumem nesta relação entre Portugal e os Estados Unidos nessa relação de já longo tempo, mas que, sobretudo no âmbito do Acordo de Cooperação e Defesa, tem, no caso concreto na base das Lajes, um dos seus principais pilares".

Para o responsável, a reunião da comissão bilateral vai continuar a "consolidar o caminho construtivo", procurando "pontos de equilíbrio" e "pontos de encontro que satisfaçam os interesses de ambas as partes.

"Estou confiante que, da mesma forma como conseguimos percorrer o caminho até aqui, sejamos também capazes de abordar os assuntos que estão pendentes", acrescentou.

Portugal e os Estados Unidos reúnem-se na sexta-feira, a partir das 09:00 locais (10:00 em Lisboa), na comissão bilateral permanente, num encontro em que serão discutidos, entre outros temas, os Açores.

Esta é a terceira reunião da comissão após o anúncio, em janeiro, da redução gradual de trabalhadores portugueses de 900 para 400 pessoas ao longo deste ano, e de civis e militares norte-americanos de 650 para 165, permitindo uma poupança anual de 35 milhões de dólares (29,6 milhões de euros).

No início do ano, os Açores apresentaram um plano de revitalização económica da Terceira para compensar o corte do contingente norte-americano nas Lajes em que pedem ao Governo nacional que assegure junto dos EUA 167 milhões de euros anuais, durante 15 anos, para a ilha.

Mais de metade dessa verba - 100 milhões de euros anuais - tem como destino a "reconversão e limpeza ambiental" de infraestruturas e terrenos construídos e ocupados pelos Estados Unidos ao longo dos mais de 60 anos, alguns deles com problemas já diagnosticados de contaminação.

Lusa

  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Jato privado incendeia-se no aeroporto de Istambul

    Mundo

    Um jato privado com quatro pessoas a bordo despistou-se e, por consequência, incendiou-se esta quinta-feira no Aeroporto de Istambul. De acordo com os media locais, todos os ocupantes sobreviveram, saindo do avião por si mesmos, apenas com ferimentos ligeiros.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC