sicnot

Perfil

Economia

Agência de energia revê em alta estimativa da procura de petróleo para 2016

A Agência Internacional de Energia (AIE) aumentou hoje a estimativa da procura de petróleo para 2016, mas a um ritmo mais lento do o verificado em 2015, foi anunciado.

(SIC/Arquivo)

(SIC/Arquivo)

© Bruno Domingos / Reuters

Este ano, segundo o relatório mensal de conjuntura do setor petrolífero apresentado pela AIE, este ano vai terminar com uma procura de 94,6 milhões de barris por dia, que traduz um aumento de 1,8 milhões de barris por dia face a 2014.

Para 2016, a AIE prevê que a procura aumente a um ritmo de 1,2 milhões de barris por dia para um total de 95,8 milhões de barris, refletindo uma "notável desaceleração" face ao 'pico' registado no terceiro trimestre de 2015, precisou a AIE.

A AIE considera que o aumento da procura no terceiro trimestre deste ano resultou do crescimento das economias da China, Estados Unidos, Índia e "surpreendentemente" da Europa.

A esperada desaceleração económica global e do consumo limitarão aquele impulso, refere também a organização da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento (OCDE), com sede em Paris.

Os primeiros sinais desta desaceleração já se fizeram sentir neste quarto trimestre em curso, com um aumento da procura de 1,3 milhões de barris por dia face a 2014.

A AIE constatou também um aumento da produção de 50.000 barris por dia em novembro último associada principalmente aos países da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEC), que fez com que o preço do petróleo caísse para o nível mais baixo dos últimos sete anos, com o barril de Brent a cotar-se a 39,77 dólares, segundo os dados mais recentes disponíveis do relatório.

Este ano a produção de petróleo vai aumentar em média 1,6 milhões de barris por dia, referiu a AIE, que prevê que em 2016 o acréscimo da produção desça para 1,2 milhões de barris por dia.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite