sicnot

Perfil

Economia

Agência de energia revê em alta estimativa da procura de petróleo para 2016

A Agência Internacional de Energia (AIE) aumentou hoje a estimativa da procura de petróleo para 2016, mas a um ritmo mais lento do o verificado em 2015, foi anunciado.

(SIC/Arquivo)

(SIC/Arquivo)

© Bruno Domingos / Reuters

Este ano, segundo o relatório mensal de conjuntura do setor petrolífero apresentado pela AIE, este ano vai terminar com uma procura de 94,6 milhões de barris por dia, que traduz um aumento de 1,8 milhões de barris por dia face a 2014.

Para 2016, a AIE prevê que a procura aumente a um ritmo de 1,2 milhões de barris por dia para um total de 95,8 milhões de barris, refletindo uma "notável desaceleração" face ao 'pico' registado no terceiro trimestre de 2015, precisou a AIE.

A AIE considera que o aumento da procura no terceiro trimestre deste ano resultou do crescimento das economias da China, Estados Unidos, Índia e "surpreendentemente" da Europa.

A esperada desaceleração económica global e do consumo limitarão aquele impulso, refere também a organização da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento (OCDE), com sede em Paris.

Os primeiros sinais desta desaceleração já se fizeram sentir neste quarto trimestre em curso, com um aumento da procura de 1,3 milhões de barris por dia face a 2014.

A AIE constatou também um aumento da produção de 50.000 barris por dia em novembro último associada principalmente aos países da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEC), que fez com que o preço do petróleo caísse para o nível mais baixo dos últimos sete anos, com o barril de Brent a cotar-se a 39,77 dólares, segundo os dados mais recentes disponíveis do relatório.

Este ano a produção de petróleo vai aumentar em média 1,6 milhões de barris por dia, referiu a AIE, que prevê que em 2016 o acréscimo da produção desça para 1,2 milhões de barris por dia.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • Princesa do Dubai que estava em fuga foi levada de volta a casa

    Mundo

    Latifa Mohamed al Maktoum, uma das filhas do emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, estava em fuga desde março. Latifa tinha partilhado um vídeo onde revelava que ia fugir e explicava os motivos. Fonte próxima do Governo do Dubai garantiu que a princesa foi levada de volta a casa.

    SIC

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.