sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública desce para 128,7% do PIB até outubro, estima UTAO

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) estima que a dívida pública tenha descido para 128,7% do Produto Interno Bruto (PIB) até outubro, ficando acima das previsões para o conjunto do ano deste Governo e do anterior.

reuters

Na nota mensal sobre a dívida pública de novembro, a que a agência Lusa teve hoje acesso, a UTAO estima que a dívida pública na ótica de Maastricht se tenha situado entre 128,5% e 129% do PIB até outubro, apontando para um valor central de 128,7% do PIB.

A confirmar-se esta previsão, escrevem os técnicos independentes da UTAO, "a dívida pública terá excedido a previsão oficial para o final do ano, a qual, recorde-se, é de 125,2% do PIB", de acordo com a segunda notificação do Procedimento dos Défices Excessivos enviada no final de setembro a Bruxelas pelo anterior Governo PSD/CDS-PP.

A estimativa da UTAO fica também acima da previsão do novo executivo do PS que, no Programa de Governo apresentado na semana passada pela Assembleia da República, estima que a dívida pública se fixe nos 128,2% este ano.

Por outro lado, a estimativa da UTAO para outubro representa "um decréscimo dívida pública no final do terceiro trimestre", que, segundo o Banco de Portugal, atingiu 130,6% do PIB.

Em setembro, a dívida das administrações públicas voltou a subir, passando para os 130,6% do PIB em setembro, acima do pico registado no final de 2014, de 130,2%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que Portugal chegue ao final de 2015 com uma dívida pública de 127,8% do PIB, uma projeção mais otimista do que a da Comissão Europeia, que antecipa que a dívida pública de Portugal caia para os 128,2% no final deste ano.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".