sicnot

Perfil

Economia

Lidl aumenta salário mínimo em 5,26% para 600 euros nas suas lojas

O Lidl Portugal anunciou hoje que decidiu aumentar para 600 euros o valor do ordenado de entrada, auferido no primeiro ano de trabalho, um aumento de 5,26% que irá entrar em vigor a 01 de janeiro do próximo ano.

Michel Euler

Em comunicado, a cadeia de supermercados de origem alemã recorda que o ordenado mínimo no Lidl "já é acima do ordenado mínimo nacional e com esta medida todos os colaboradores a tempo inteiro que auferiam do valor base de 570 euros passam a receber o novo valor de 600 euros".

Isto representa um aumento salarial de 5,26% para todos os colaboradores abrangidos neste escalão.

"Esta medida entrará em vigor no próximo dia 01 de janeiro 2016 e impactará todos os novos colaboradores das lojas e entrepostos, já que se trata do ordenado auferido no primeiro ano de trabalho", adianta o Lidl.

"Esta medida está integrada na forte política de responsabilidade social que é parte integrante da estratégia da empresa", refere a empresa de distribuição.

"Os nossos recursos humanos são o nosso maior capital e queremos que saibam que podem contar com a empresa. Este ano celebramos 20 anos em Portugal, estamos a consolidar o nosso crescimento e o sucesso alcançado é fruto das nossas extraordinárias equipas", disse Afroditi Pampa, presidente executiva do Lidl Portugal, citado no comunicado.

"O Lidl Portugal já assegura o pagamento de salários acima dos valores acordados nos contratos coletivos de trabalho negociados pela APED (Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição). A título de exemplo, o acordo coletivo prevê que o ordenado base de um vendedor de loja seja 530 Euros, um vendedor das lojas Lidl no seu primeiro ano recebe 570 euros", exemplifica a empresa.

Recentemente, e em linha com as comemorações da sua presença em Portugal há 20 anos, "a empresa ofereceu a todos os seus colaboradores um cartão bancário pré-pago carregado com 400 euros para uso nas lojas Lidl".

O Lidl é uma cadeia de distribuição alimentar de origem alemã, cuja existência remonta aos anos 30. Está presente em mais de 25 países, detendo cerca de 10 mil lojas.

Em Portugal, a insígnia tem 240 lojas, quatro entrepostos e 4.800 colaboradores.

Lusa

  • SIC Esperança e Lidl criam movimento "Mais para todos"
    6:47

    Edição da Manhã

    A SIC Esperança associou-se ao Lidl para a criação do movimento "Mais para todos", que tem como obljetivo ajudar as instituições que no terreno apoiam as comunidades locais. Esta pretende ser uma das principais ações de solidariedade deste Natal e para nos explicar melhor a iniciativa recebemos hoje na Edição da Manhã a presidente da SIC Esperança, Mercedes Balsemão e Vanessa Romeu, diretora de comunicação do Lidl.

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.