sicnot

Perfil

Economia

ANA-Aeroportos suportou 3,8 M€ de taxa turística de Lisboa este ano

A taxa turística aplicada durante este ano às chegadas por via aérea a Lisboa resultou na entrada de 3,8 milhões de euros nos cofres da Câmara, suportados pela ANA - Aeroportos de Portugal, anunciou hoje a autarquia.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

MARIO CRUZ

"De acordo com o regulamento, [a taxa] aplicou-se em 2015 às chegadas de passageiros [ao aeroporto], tendo resultado numa verba de cerca de 3,8 milhões de euros", informou o município em comunicado.

Este valor situa-se dentro da previsão de receitas já que, aquando da assinatura do protocolo entre a ANA e a autarquia, em março, estimava-se que a taxa rendesse entre 3,6 e 4,4 milhões de euros.

O município recorda que "a Taxa Turística de Lisboa foi aprovada em 2014", prevendo que, no ano seguinte, houvesse a cobrança de um euro a quem chegasse ao aeroporto ou ao porto da capital e de um euro por noite sobre as dormidas.

A metodologia foi, entretanto, alterada e, durante este ano, a responsabilidade do pagamento foi assumida pela ANA na Portela.

Na nota, a autarquia garante que a cobrança voltará a ser feita no próximo ano, tanto nas chegadas por avião como por barco, apesar de ainda não saber como.

Em declarações à agência Lusa em meados de dezembro, o vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, disse que a Câmara decidiu adiar a aplicação da taxa turística nas chegadas por ainda não saber como vai cobrá-la no aeroporto, estimando que a medida arranque em abril.

De acordo com o autarca, há "uma questão essencialmente operacional" que tem de ser analisada nas chegadas à Portela e que não se coloca no porto de Lisboa, onde é "mais fácil" começar a cobrar a taxa devido à legislação existente.

Em 2016, a taxa começará também a ser cobrada nas dormidas de turistas nacionais (incluindo lisboetas) e estrangeiros, sendo cobrado -- pelos hoteleiros -- um euro por noite até um máximo de sete euros.

A cobrança nas dormidas entra em vigor a 01 de janeiro e aplica-se a "todas as unidades [...] da hotelaria ou do alojamento local", explica a Câmara de Lisboa.

O município espera arrecadar 15,7 milhões com a taxa turística no próximo ano, valor que reverte para o Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa, que entra em vigor a 01 de janeiro, "tendo como fim exclusivo o desenvolvimento do setor na cidade".

O fundo terá um comité de investimentos que definirá quais os projetos a financiar, sendo composto pela autarquia, a Associação de Turismo de Lisboa e a Associação da Hotelaria de Portugal, adianta a Câmara.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.