sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas "tomou nota da votação" mas espera por projeto de OE 2016

A Comissão Europeia escusou-se a fazer hoje comentários à aprovação de um Orçamento Retificativo de 2015, na sequência da resolução do Banif, relembrando estar à espera da entrega de um projeto de orçamento para 2016 em janeiro.

TIAGO PETINGA/ LUSA

Em declarações à agência Lusa, um porta-voz indicou que Bruxelas "tomou nota da votação (do Orçamento Retificativo) em Portugal".

"Nesta fase, não temos nenhum comentário a fazer. Em primeiro lugar, precisamos de receber o projeto de orçamento com todos os detalhes", afirmou a mesma fonte.

Para o executivo comunitário, as "autoridades portuguesas devem apresentar o plano [de Orçamento do Estado para 2016] o mais depressa possível em janeiro".

O parlamento aprovou hoje na generalidade o Orçamento retificativo apresentado devido à resolução do Banif, com os votos favoráveis do PS, a abstenção do PSD e os votos contra do BE, PCP, CDS-PP, PEV e PAN.

A discussão e votação do retificativo foram agendadas para hoje depois do anúncio no domingo pelo Governo e o Banco de Portugal da venda do Banif ao Banco Santander Totta, por um valor de 150 milhões de euros, no âmbito da medida de resolução aplicada ao banco cuja maioria do capital pertencia ao Estado português, de forma a impedir a sua liquidação, numa operação que envolve um apoio público estimado em 2.255 milhões dez euros.

A 19 de dezembro, sobre o risco de Portugal falhar a meta de um défice abaixo dos 3% devido ao Banif, o primeiro-ministro, António Costa, lembrou, em Bruxelas, que "é entendimento da Comissão Europeia que as despesas relativas ao fortalecimento do sistema das aplicações financeiras neste quadro não têm sido consideradas relevantes para o procedimento de défice excessivo".

O que levou, por exemplo, a que "o aumento muito significativo" do défice de 2014, devido à intervenção no Novo Banco, não tenha sido "tido em conta para a avaliação do cumprimento das regras para efeito do procedimento por défice excessivo", recordou.

"A nossa meta é tudo fazer para cumprir o objetivo de que o país possa sair tão rapidamente quanto possível do procedimento por défice excessivo, e não serão intervenções que eventualmente fosse necessário fazer no sistema bancário que perturbariam esse procedimento, mantendo a Comissão o entendimento constante que tem mantido sobre essas matérias até agora", concluiu.

A 07 de dezembro, na sua estreia num Eurogrupo, em Bruxelas, o ministro das Finanças, Mário Centeno, anunciou que o projeto de Orçamento do Estado para 2016 (OE2016) seria entregue no início de janeiro.

"O projeto de Orçamento, aqui em Bruxelas, vai ser entregue no início de janeiro, em consonância com o trabalho que o Governo vai realizar também para apresentar o mais depressa possível no parlamento português", disse.

Lusa

  • Retificativo aprovado graças à abstenção do PSD
    2:56

    Economia

    O Orçamento Rectificativo foi aprovado graças à abstenção do PSD. Só o PS votou a favor do documento, que permite injectar mais de 2 mil milhões de euros no Banif. PCP, Bloco de Esquerda, Verdes e CDS votaram contra. Foi precisamente o CDS que justificou no Parlamento a actuação do governo anterior.

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC