sicnot

Perfil

Economia

Estivadores prolongam greve no Porto de Lisboa até ao final de janeiro

O Sindicato dos Estivadores emitiu um novo pré-aviso de greve no Porto de Lisboa até 31 de janeiro, prolongando assim o protesto que só é acionado se as entidades empregadoras contratarem "trabalhadores estranhos à profissão".

MÁRIO CRUZ

Com data de 21 de dezembro, este novo pré-aviso de greve - de 7 de janeiro a 31 de janeiro - é divulgado um dia depois de o sindicato e os operadores se terem disponibilizado para voltar a negociar um novo contrato coletivo de trabalho, tendo definido o prazo de um mês para as primeiras conclusões.

As negociações com vista a celebrar um novo contrato coletivo de trabalho para o Porto de Lisboa foram interrompidas em meados de março, após 36 reuniões ao longo de um ano.

Desde o início da greve a 14 de novembro, dia em que caducou o contrato coletivo de trabalho em vigor, os estivadores trabalharam todos os dias, porque o protesto só avança quando e se os empregadores contratarem "trabalhadores estranhos à profissão", que não integrassem o contingente efetivo e eventual a 15 de setembro.

Se isso acontecer, "a greve aplicar-se-á em todas as operações realizadas em qualquer terminal", explicou o presidente do Sindicatos Estivadores, António Mariano, à Lusa.

A greve estende-se aos portos de Setúbal e da Figueira da Foz para abranger cargas ou navios que possam vir a ser desviados do Porto de Lisboa, devido ao contexto de greve.

Sem contrato coletivo de trabalho, o Sindicato dos Estivadores alega que os operadores se sentirão à vontade para "substituir os estivadores profissionais por trabalhadores precários de 500 euros".

Em declarações recentes à Lusa, o presidente do Sindicato dos Estivadores disse que estavam a decorrer ações de formação para habilitar "mão-de-obra desnecessária ao setor", com o intuito de "aniquilar os atuais profissionais da classe" e "aumentar os lucros dos grandes grupos económicos", referindo-se ao negócio de venda da Tertir, do grupo Mota-Engil, ao grupo turco Yildirim.

Os operadores do Porto de Lisboa e Sindicato dos Estivadores aceitaram na segunda-feira reatar as conversações com vista a um acordo laboral, que ponha um ponto final na instabilidade laboral, que já levou à suspensão de escala de grandes armadores.

No final da reunião com os operadores do Porto de Lisboa e com o Sindicato dos Estivadores, a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, disse que as duas partes mostraram disponibilidade para se sentar à mesa de negociações, tendo sido definido o prazo de um mês para chegar a consensos.

Em declarações aos jornalistas, no final das reuniões com os operadores e com o Sindicato dos Estivadores, para tentar "promover a paz social" no Porto de Lisboa, Ana Paula Vitorino explicou que "as duas partes responderam ao apelo e vão sentar-se a conversar, sob a coordenação do Porto de Lisboa".

"Acho que é possível chegarmos a um acordo", declarou a governante, realçando que "todos têm que ceder, porque caso contrário não se chega a um acordo".

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.