sicnot

Perfil

Economia

Marisa Matias diz que OE é "virar de página" da austeridade

A candidata presidencial Marisa Matias disse hoje que o Orçamento do Estado para 2016 "começa a estar em linha" com a Constituição Portuguesa, sendo um "virar de página da política de austeridade e do ciclo de empobrecimento".

PAULO NOVAIS

"É um orçamento que começa a estar em linha com o que está inscrito na Constituição, qualquer Presidente da República que jure defender a Constituição obviamente que promulga orçamentos que estão em linha com aquilo que está inscrito na Constituição, recuperar direitos, salários e dignidade, penso que é isso que começa a ser o novo ciclo do novo ano em Portugal", disse aos jornalistas Marisa Matias, no final de uma reunião com responsáveis da Associação Nacional de Sargentos (ANS).

A candidata presidencial apoiada pelo Bloco de Esquerda adiantou que o Orçamento do Estado para 2016 "procura recuperar salários, pensões e investir mais nos serviços públicos", considerando que é "o virar de página da política de austeridade e do ciclo de empobrecimento".

Marisa Matias falava a propósito do artigo de opinião do primeiro-ministro, António Costa, hoje divulgado no Diário de Notícias, no qual afirmou que o Governo vai demonstrar no Orçamento do Estado para 2016 (OE2016) que "é possível reverter o empobrecimento, cumprir a Constituição" e "garantir finanças públicas equilibradas".

A candidata disse também que espera que 2016 seja "um ano de um novo contrato de confiança com os cidadãos" e que "se comece a por a estabilidade da vida das pessoas à frente da estabilidade dos interesses económicos e financeiras".

"Que este novo ciclo político não termine já em Belém, mas que seja de facto um ano de mudança e de viragem na vida de toda a gente para garantir a dignidade e a estabilidade das pessoas que aqui vivem e aqui querem viver", avançou.

Na reunião com responsáveis da ANS, Marisa Matias falou sobre a função das Forças Armadas e da pressão permanente para a guerra que se vive atualmente no mundo.

Para a candidata, as Forças Armadas não devem ter "uma função de mercenários", mas sim "de forças ao serviço da cooperação e da defesa nacional".

"Entendo que as Forças Armadas devem cumprir o papel que está inscrito na Constituição e não embarcar numa lógica de guerra infinita", afirmou, manifestando-se contra o envio de tropas para combater o grupo extremista Estado Islâmico.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.